Bolsas

Câmbio

Petrobras desaba mais de 14% e perde R$40 bi em valor de mercado

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - As ações da Petrobras fecharam com queda de mais de 14 por cento nesta segunda-feira, engatando o oitavo pregão de perdas, com investidores ainda receosos acerca de ingerência governamental na companhia, conforme as negociações para encerrar a greve dos caminhoneiros envolveu também a petroleira de controle estatal.

Os papéis preferenciais encerraram em queda de 14,6 por cento, para 16,91 reais, menor valor desde 10 de janeiro, enquanto PETROBRAS ON recuou 14,07 por cento, a 19,79 reais, mínima desde 23 de janeiro, com perda de cerca de 40 bilhões de reais em valor de mercado.

Desde o último dia 18, quando começaram os primeiros rumores envolvendo discussão sobre preços de combustíveis, a Petrobras acumulou uma perda de valor de mercado de 127,5 bilhões de reais. Da máxima do ano, alcançada em 16 de maio, a perda alcança 146 bilhões de reais, resultado de oito pregões seguidos de queda.

Após anúncio de medidas pelo governo federal na véspera, a Petrobras informou nesta segunda-feira que manterá por 60 dias uma redução nos preços do diesel rodoviário e que, após esse prazo, os reajustes do combustível passarão a ser mensais, e não mais até diários como ditava a política da companhia em vigor.

A companhia disse que será ressarcida pela União pela redução adicional --além da já anunciada na semana passada-- e que isso não incorrerá em prejuízo para a companhia.

"O fato de que a viabilidade da política de preços da Petrobras depende da concessão subsídios ainda deve levar a questionamentos no mercado", escreveu a equipe de estratégia e análise da XP Investimentos em relatório a clientes. "Ainda restam dúvidas sobre como será a forma de pagamento do reembolso pelo governo (e como isso impactará resultados), e qual o nível de prêmio e margens de refino que a empresa conseguirá manter quando retomar os reajustes de diesel após 60 dias."

Uma fonte próxima à estratégia da Petrobras disse à Reuters que a companhia quer receber antecipadamente os recursos referentes ao congelamento do diesel por 60 dias anunciado por Temer, até para que não haja uma má sinalização para o mercado, que já penalizou duramente suas ações.

Analistas do UBS também afirmaram enxergar como "muito negativa" a mudança na política de precificação diária da Petrobras, "já que o envolvimento do governo na política reduz o interesse de potenciais investidores nos ativos de refino da empresa, uma vez que que eles poderiam perder a visibilidade da lucratividade desses ativos".

Em nota a clientes, a equipe do UBS também ponderou que que a mudança na política de preços poderia levar a alterações na gestão da empresa.

Estrategistas do Itaú BBA excluíram as ações PN de sua 'Buy List' para Brasil, de acordo com relatório distribuído a clientes nesta segunda-feira.

(Por Paula Arend Laier)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos