ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Próximo aumento de juros pelo Fed pode balançar ainda mais mercado de títulos dos EUA

05/06/2018 18h28

Por Richard Leong

NOVA YORK (Reuters) - O próximo aumento da taxa de juros do Federal Reserve será um marco importante, à medida que a era do dólar barato se aproxima do fim, desestabilizando ainda mais o mercado de títulos dos Estados Unidos já abalado pelo aumento da inflação e da oferta de dívida do governo.

Nesta quarta-feira, o banco central dos EUA provavelmente elevará as taxas de juros para levar a inflação para a meta, o que significa que, pela primeira vez em quase uma década, o custo de fazer empréstimos em dólar não será mais essencialmente gratuito.

"Estamos vendo um ponto de inflexão agora que a inflação está subindo", disse Bill Merz, diretor de pesquisa de renda fixa do US Bank Wealth Management.

Os juros dos EUA estão na faixa de 1,50 a 1,75 por cento, com os operadores esperando que o Fed aumente a meta em 0,25 ponto percentual na semana que vem. A taxa do Fed tem estado abaixo da meta de inflação de 2 por cento desde a crise financeira de 2007 a 2009.

Alguns analistas advertiram que o aumento da taxa desestabilizaria o mercado de títulos empurrando os empréstimos baratos de curto prazo para níveis que tornariam alguns negócios menos atraentes, como carry trades, que usam empréstimos baratos para comprar títulos de alta rentabilidade, e os chamados achatadores de curva, que vendem dívidas de curto prazo e compram de títulos com datas mais longas.

"É sempre o aumento das taxas de curto prazo que causa problemas no crédito e em outros ativos de risco", disse James Camp, diretor administrativo de renda fixa da Eagle Asset Management.

Custos de empréstimos de curto prazo mais altos provavelmente teriam consequências mais longas para operadores e investidores do que o aumento recente nos rendimentos de 10 anos dos Treasuries, disse Camp.

Três semanas atrás, o rendimento dos títulos de 10 anos subiu acima de 3 por cento pela primeira vez em quase sete anos, mas desde então diminuiu com as tensões comerciais e preocupações geopolíticas.

(Por Richard Leong)

Mais Economia