ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Bovespa ensaia melhora, mas cautela persiste; Suzano lidera ganhos

05/09/2018 11h46

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa buscava se firmar no azul na tarde desta quarta-feira, após duas quedas seguidas, com a alta das ações da Suzano Papel e Celulose liderando os ganhos, embora o viés negativo em praças acionárias no exterior e apreensões relacionadas ao cenário eleitoral no país mantivessem agentes financeiros cautelosos.

Às 13:57, o principal índice de ações da B3 subia 0,68 por cento, a 75.219,25 pontos. Mais cedo, na mínima, o Ibovespa caiu 0,58 por cento. Nos dois pregões anteriores, acumulou baixa de 2,6 por cento.

O volume financeiro somava 4,2 bilhões de reais.

No exterior, as bolsas norte-americanas não mostravam uma direção firme, afetadas pelo declínio das ações das gigantes de tecnologia Twitter e Facebook, além do desconforto com o embate comercial envolvendo Estados Unidos e parceiros econômicos. O S&P 500 cedia 0,3 por cento.

Do lado doméstico, em meio a um ambiente eleitoral ainda bastante nebuloso, a equipe da corretora Mirae avaliou em nota a clientes que a não divulgação de pesquisas de intenções de votos pelo Ibope e Datafolha são fator de preocupação.

Na véspera, o Ibope deixou de divulgar uma pesquisa sobre a disputa presidencial prevista para a noite de terça-feira e fez uma consulta ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) após realizar uma "adequação" que retirou do levantamento o cenário com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Datafolha também anunciou na terça-feira que cancelou o registro de uma pesquisa nacional que seria feita entre esta terça e a quinta-feira por conta da presença de Lula no questionário.

DESTAQUES

- SUZANO disparava 6,07 por cento, após a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) rejeitar pedidos para interromper o prazo de convocação de um assembleia de acionistas da Fibria para avaliar, entre outras propostas, fusão entre as companhias. Na máxima, os papéis chegaram a 55 reais, recorde intradia. FIBRIA perdia 2,48 por cento.

- VALE valorizava-se 0,46 por cento, tendo no radar relatório do Itaú BBA revisando estimativas para a companhia e mantendo a recomendação 'outperform' de seus ADRs, conforme os analistas da casa veem a mineradora bem posicionada para gerar fluxos de caixa consideráveis e aumentar os retornos dos acionistas nos próximos anos.

- AMBEV tinha alta de 1,22 por cento, ensaiando uma recuperação após cair nos quatro pregões anteriores, período em que acumulou perda de 6,44 por cento.

- BANCO DO BRASIL subia 1,2 por cento, capitaneando a recuperação das ações dos bancos no Ibovespa, com ITAÚ UNIBANCO PN mostrando acréscimo de 1,14 por cento, BRADESCO PN com variação positiva de 0,62 por cento e SANTANDER BRASIL UNIT com acréscimo de 0,48 por cento. O Itaú anunciou parceria com a francesa Edenred que garante exclusividade na distribuição dos produtos da Ticket Serviços no Brasil para a sua base de clientes pessoas jurídicas.

- MAGAZINE LUIZA valorizava-se 2,75 por cento, também reagindo após apurar queda de mais de 9 por cento nos dois pregões anteriores, figurando entre as maiores altas do Ibovespa, em sessão sem viés único para o setor de varejo. B2W subia 1,73 por cento, mas VIA VAREJO UNIT caía 2,65 por cento. Analistas do Brasil Plural avaliam que a Via Varejo está progredindo em sua estratégia de transformação digital, mas ressaltam que a visibilidade de curto prazo para a companhia continua limitada.

- SMILES cedia 6,87 por cento, na ponta negativa do Ibovespa, pressionada por notícia de que a Latam decidiu não renovar contrato operacional com sua controlada Multiplos e fechar o capital da operadora de programas de fidelidades. MULTIPLUS, que não está no Ibovespa, subia 4,51 por cento.

- PETROBRAS PN tinha variação negativa de 0,21 por cento, em sessão de queda dos preços do petróleo no exterior, mas PETROBRAS ON subia 1,16 por cento.

(Edição de Raquel Stenzel)

Mais Economia