ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Bolsonaro "provavelmente" não poderá mais ir para rua fazer campanha, diz filho do candidato

07/09/2018 18h03

SÃO PAULO (Reuters) - O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, "provavelmente" não poderá mais ir para as ruas nesta campanha eleitoral, disse nesta sexta-feira o deputado estadual pelo Rio de Janeiro Flavio Bolsonaro, um dos filhos do presidenciável, em um vídeo divulgado pelas redes sociais.

Bolsonaro foi alvo de um atentado com uma faca na quinta-feira quando participava de um ato de campanha em Juiz de Fora (MG) e foi submetido a uma cirurgia de emergência na qual os médicos da Santa Casa de Misericórdia da cidade estancaram uma hemorragia decorrente de uma lesão em uma veia abdominal e trataram de lesões nos intestinos delgado e grosso do candidato, provocadas pela facada.

Ele foi transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira.

"Ele (Bolsonaro) está em uma situação muito delicada, está com dificuldade de falar ainda, mas eu vou para lá (São Paulo) para confortar, como eu falei, e também, se ele tiver condições, saber como é que a gente vai conduzir a partir de agora essa campanha", disse Flavio no vídeo divulgado pelo Facebook.

"Podem ter certeza de uma coisa: ele está lá se recuperando, provavelmente não consegue mais ir para as ruas nessa campanha. Então, ele não pode ir às ruas, mas nós podemos. Eu quero contar com cada um de vocês mais do que nunca", completou.

Ao chegar ao hospital onde Bolsonaro está internado em São Paulo, o filho do presidenciável voltou a pedir que os eleitores do candidato do PSL mantenham a campanha dele, e voltou a apostar em vitória de Bolsonaro, que lidera a corrida presidencial, em primeiro turno.

“O capitão está se recuperando, mas a gente vai estar na rua para fazer a campanha dele e virar essa página triste na história do nosso país. Vai ser no primeiro turno e graças a Deus com ele cheio de saúde. Ele está mais forte do que nunca", disse a jornalistas.

Ainda no vídeo, o filho de Bolsonaro também afirma que buscará acompanhar as investigações sobre o atentado, feitas pela Polícia Federal, e questiona a ideia de que o autor do ataque teria agido sozinho e teria distúrbios mentais. Ao mesmo tempo, ele disse que "o monsto" que, segundo ele, a "grande mídia" tentar pintar de Bolsonaro pode ter incentivado o atentado.

"Vocês da grande mídia têm responsabilidade também. Vocês podem ter influenciado um cara a cometer um ato como este. Vai que ele acredita em vocês", acusou. "Vocês fazem um desserviço para o Brasil."

(Reportagem de Taís Haupt e Eduardo Simões)

Mais Economia