ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Aston Martin reduz faixa de IPO de US$6 bi após resposta de investidores

01/10/2018 08h52

Por Kate Holton e Dasha Afanasieva

LONDRES (Reuters) - A Aston Martin reduziu o teto da faixa de preço de sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) para 20 libras por ação, o que lhe confere um valor potencial de mercado de até 4,6 bilhões de libras (6 bilhões de dólares), após retorno misto de investidores.

A fabricante de carros de luxo britânica definiu inicialmente um intervalo de 17,50 libras para 22,50 libras por ação, mas disse nesta segunda-feira que reduziu para 18,50 libras a 20 libras e que tinha lances suficientes para cobrir todas as ações vendidas nesse nível.

"O retorno foi misto", disse uma fonte familiarizada com o acordo, dizendo que os investidores estavam preocupados com a execução do lançamento de novos modelos, mas ficaram impressionados com a administração.

"A parte inferior do intervalo é o único nível que pode funcionar."

A Aston Martin, famosa por fazer o carro esportivo dirigido pelo agente secreto fictício James Bond, disse que espera fechar os livros do IPO ao meio-dia de Londres na terça-feira.

Executivos de bancos de investimento dizem que os IPOs geralmente precisam de duas vezes mais lances do que as ações oferecidas para serem bem sucedidos.

Com base em cerca de 57 milhões de ações vendidas, um free float de 25 por cento, a listagem daria à empresa um valor de mercado de até cerca de 4,6 bilhões de libras.

Dependendo de onde os preços ficarem dentro da faixa, a Aston Martin pode entrar no FTSE 100 depois de sua flutuação e será a primeira fabricante de carros no índice blue-chip desde a Jaguar.

A empresa está vendendo cerca de 25 por cento de suas ações no primeiro IPO de uma montadora britânica em décadas.

A flutuação ocorre após a venda de ações por seus principais proprietários, grupos de private equity do Kuwait e da Itália.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia