ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Ações financeiras elevam Wall Street, mas preocupação com juros limita ganhos

Por Chuck Mikolajczak

03/10/2018 18h06

NOVA YORK (Reuters) - Os índices acionários dos Estados Unidos avançaram nesta quarta-feira (3) e o Dow Jones fechou em patamar recorde pelo segundo dia consecutivo, após dados econômicos dos Estados Unidos alimentarem uma alta no rendimento dos Treasuries, elevando ações financeiras.

O índice Dow Jones subiu 0,2%, a 26.828 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 0,07%, a 2.926 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 0,32%, a 8.025 pontos.

O setor privado dos Estados Unidos criou 230 mil vagas em setembro, maior número desde fevereiro, segundo relatório divulgado pela ADP nesta quarta-feira. Um relatório do Institute for Supply Management mostrou que a atividade do setor de serviços alcançou uma máxima de 21 anos em setembro.

Os dados alimentaram expectativas para uma alta de juros pelo Federal Reserve em dezembro. O rendimento dos Treasuries com vencimento em 10 anos tocou seu maior nível em sete anos a 3,179% e o título com vencimento em dois anos atingiu o maior retorno em mais de uma década.

Os rendimentos crescentes impulsionaram ações financeiras, colocando o S&P 500 a uma pequena distância de uma nova máxima. As ações financeiras também foram ajudadas por uma sinalização de que a Itália cortará sua meta do déficit e reduzirá sua dívida, amenizando uma preocupação que havia pressionado índices acionários globais.

O setor financeiro, que tem registrado performance abaixo do mercado mais amplo neste ano, subiu 0,81%, seu maior ganho diário desde 19 de setembro.

Ainda assim, os principais índices fecharam bem abaixo de suas máximas de mais cedo, à medida que dados e comentários recentes de autoridades do Fed aumentaram preocupações de que o banco central poderá elevar juros de forma agressiva.

"Só o reconhecimento do Fed dizendo que a economia está boa, isso significa que eles não vão desacelerar no curto prazo a velocidade de elevações de juros", disse Mike Baele, diretor da U.S. Bank Private Client Wealth Management.

Mais Economia