ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Cotações

Conselho da Taurus aprova emissão de bônus de subscrição que pode movimentar até R$ 400 mi

Aluisio Alves

05/10/2018 20h17

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante de armas Forjas Taurus informou nesta sexta-feira que seu conselho de administração aprovou a emissão de 74 milhões de bônus de subscrição de ações preferenciais, com objetivo de reduzir o endividamento da companhia.

A emissão será feita em quatro séries. Na primeira, de 25 milhões de bônus, cada bônus será vendido R$ 0,20 e dará direito à subscrição de uma ação a R$ 4 até 5 de abril de 2019.

A segunda, de 20 milhões de bônus, permitirá que cada bônus vendido a R$ 0,10 compre uma ação a R$ 5 até 5 de julho de 2019. A terceira, também de 20 milhões de bônus, também com valor unitário de R$ 0,10 dará direito à compra de uma ação a R$ 6 até 7 de abril de 2019. A última tranche, de 9 milhões de bônus, igualmente a R$ 0,10 cada, dará direito à compra de uma ação a R$ 7 até 5 de outubro de 2020.

Uma eventual subscrição total das ações pode movimentar quase R$ 400 milhões.

Segundo o fato relevante, será permitida a subscrição parcial dos bônus desde que atinja ao menos 50% do total emitido. A acionista controladora manifestou compromisso de subscrever todos os bônus a que fizer jus dentro do direito de preferência.

O critério usado para determinar o preço de exercício dos bônus foi feito ponderando o volume negociado na bolsa no período de três meses, de 2 de julho e 2 de outubro.

O percentual de diluição potencial resultante do exercício dos bônus de subscrição para os acionistas é de 53,35%, informou a Forjas Taurus.

A ação preferencial da Forjas Taurus subiu 12,45% nesta sexta-feira na bolsa paulista, enquanto o papel ordinário, com direito a voto, deu um salto de 46,4%.

Na semana, o ganho desses papéis subiu a 50% e 130%, respectivamente. Operadores atrelaram o movimento ao desempenho de Jair Bolsonaro na corrida presidencial, uma vez que ele tem entre as bandeiras reforçar a segurança pública e flexibilizar regras para concessão do porte de armas.

Mais Cotações