ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Petrobras reduz preço médio da gasolina nas refinarias após novo recorde nos postos

Marta Nogueira

08/10/2018 18h09

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras reduzirá o preço médio da gasolina em suas refinarias em 1,2%, para R$ 2,1889 por litro, a partir desta terça-feira (9), após manter o valor do produto estável por 11 dias, de acordo com informação do site da estatal.

A redução do valor médio nas refinarias ocorre após pesquisa da reguladora ANP apontar um preço médio recorde nominal nos postos do Brasil na semana passada, de R$ 4,7 por litro, o que representou uma alta de 0,09% ante a semana anterior.

A atual política de preços da companhia busca manter a paridade de preço internacional em busca de rentabilidade.

Entretanto, para reduzir a volatilidade no mercado interno de gasolina, adotou recentemente um instrumento de hedge que permite segurar possíveis reajustes por até 15 dias, sem incorrer em perdas.

A opção de adotar mecanismo de hedge, calcada em contratos futuros do combustível nos EUA, completou um mês no sábado e permitiu um recuo importante da volatilidade nos preços das refinarias.

De 6 de setembro, quando a opção pelo hedge foi anunciada, até sexta-feira, a volatilidade das cotações do combustível nas refinarias foi de 1,8%, com apenas quatro reajustes realizados.

A título de comparação, no mês imediatamente anterior, a oscilação de preço em relação a um ponto médio beirou 10% em meio a 16 alterações nos valores do derivado de petróleo. Considerando-se todo o período anterior à aplicação do mecanismo, a volatilidade foi superior a 20% desde julho do ano passado, conforme cálculos da Reuters a partir de dados informados pela Petrobras.

Diesel

No caso do diesel, a Petrobras mantém os preços congelados em R$ 2,3606 por litro, devido a adesão ao programa de subvenção ao combustível, lançado em junho, pelo governo federal. Por meio dele, a as empresas praticam preços estipulados pelo governo, podendo ser ressarcidas em até R$ 0,30 por litro, dependendo do mercado.

(Por Marta Nogueira, com reportagem adicional de José Roberto Gomes; edição de Roberto Samora)

Mais Economia