ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Peso argentino amplia rali; crescem preocupações sobre dívida do banco central

09/10/2018 16h07

Por Gabriel Burin

BUENOS AIRES (Reuters) - A moeda argentina ampliou seu rali de uma semana nesta terça-feira à medida que investidores se voltam em direção à dívida em peso oferecida pelo banco central a taxas de juros muito elevadas, ainda que economistas estejam preocupados com o crescente endividamento do banco.

O banco central começou a oferecer papéis de curto-prazo chamados de "Leliqs" a taxas de juros de cerca de 70 por cento no início do mês para encorajar bancos argentinos a investirem em ativos em peso em vez de buscar a segurança do dólar dos Estados Unidos. O dólar forte alimentou uma disparada na inflação na terceira maior economia da América Latina.

A moeda fechou em alta de 1,24 por cento, a 37,14 pesos por dólar nesta terça-feira. O valor da divisa subiu 11,2 por cento até agora em outubro. Mas a divisa ainda opera em queda de mais de 50 por cento contra o dólar desde o início do ano, com economistas independentes projetando ainda mais desvalorização do peso pela frente.

Economistas, no entanto, estão preocupados com as elevadas taxas de juros dos papéis e veem a emissão das novas Leliqs como uma manobra de risco que pode sair pela culatra e deixar o banco com muitas dívidas.

A cada nova venda das Leliqs, os passivos do banco crescem. A estratégia ainda pode se provar de sucesso se a esperada depreciação do peso ao longo do próximo ano aumentar o valor das reservas de dólar do banco.

Guido Lorenzo, um economista da consultoria local ACM, disse que o perigo é que a taxa de endividamento do banco central supere o ritmo no qual suas reservas de dólar estão depreciando.

"Se isso acontecer, o banco central vai terminar com algumas obrigações de dívida terrivelmente altas", disse Lorenzo.

O banco central vendeu 60,1 bilhões de pesos em Leliqs a uma taxa anual de juros média de 72,6 por cento nesta terça-feira, abaixo de uma média de 73,524 por cento no leilão de segunda-feira.

A liquidação do peso começou em maio, quando investidores estrangeiros ficaram preocupados sobre a habilidade da Argentina em pagar suas dívidas e abriram mão do que vinha se tornando um inventário de rápido crescimento de papéis de curto prazo do banco central chamados de "Lebacs".

(Reportagem adicional de Jorge Otaola)

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia