ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

BC anuncia leilão de swap cambial e indica rolagem integral do vencimento de dezembro

30/10/2018 18h45

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central sinalizou nesta terça-feira que fará mais uma vez a rolagem integral dos contratos de swap cambial que vencem em dezembro, repetindo o procedimento que vem adotando nos últimos meses para dar tranquilidade ao mercado.

A autoridade monetária fará na quinta-feira um leilão de 13,6 mil contratos de swap cambial, equivalentes à venda futura de dólares, com o propósito de rolar contratos existentes, informou a instituição em comunicado.

Se repetir essa mesma quantidade de contratos durante todos os dias úteis do mês, serão rolados integralmente os 12,217 bilhões de dólares em swaps cambiais que vencem no último mês deste ano.

Trata-se do primeiro anúncio de atuação do BC no câmbio após a eleição de Jair Bolsonaro, no domingo, mas sem trazer surpresas, uma vez que era amplamente esperada a rolagem dos contratos, que equivalem à venda futura da moeda norte-americana.

O economista Paulo Guedes, indicado por Bolsonaro para um superministério econômico que reunirá a Fazenda, o Planejamento e o Desenvolvimento, Indústria e Comércio, negou nesta terça-feira que planeje usar as reservas internacionais do país, a não ser em caso de "ataque especulativo" que fizesse o dólar se aproximar de 5 reais, situação em que poderia usar 100 bilhões de dólares.

"O que existe hoje sobre venda de 100 bilhões de dólares é que, se houver uma crise especulativa, não tem problema nenhum e vai acelerar nosso ajuste fiscal. Se o dólar vier para 4,50 ou 5 reais, vamos vender 100 bilhões dentro da política de esterilização", disse o economista a jornalistas ao chegar para encontro do núcleo do futuro governo com o presidente eleito.

O dólar acumula queda de 8,6 por cento em outubro até a sessão desta terça-feira, a caminho do maior recuo mensal no ano com investidores otimistas sobre a possibilidade de reformas, privatizações e austeridade fiscal sob Bolsonaro.

Mais Economia