ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Inflação turca atinge 25 por cento em outubro, a maior em 15 anos

05/11/2018 10h39

Por Ali Kucukgocmen e Ezgi Erkoyun

ISTAMBUL (Reuters) - A inflação anual na Turquia subiu para 25 por cento em outubro, mostraram dados oficiais nesta segunda-feira, atingindo o maior nível em 15 anos e ressaltando o impacto sustentado de uma crise cambial à medida que a economia em geral perde o ritmo.

Na comparação mensal, os preços ao consumidor subiram 2,67 por cento, mostraram os dados do Instituto de Estatísticas da Turquia, acima dos 2,0 por cento previstos em uma pesquisa da Reuters.

Na esteira de uma onda de queda lira que também alimentou a inflação, o governo cortou suas previsões de crescimento e economistas dizem que a Turquia registrará expansão negativa do PIB neste trimestre e no próximo, desencorajando qualquer movimento do banco central para aumentar os juros em resposta à alta inflação.

"Eu acho que o banco central vai detestar ter que aumentar os juros novamente se os dados da inflação continuarem a decepcionar, já que isso apenas tornará a recessão mais profunda", disse Timothy Ash, estrategista da Blue Bay Asset Management.

"Eles vão assumir, com razão, que a deflação e a recessão acabarão por fazer a manobra na inflação. Mas eles precisam de tempo".

A lira enfraquecia para 5,4390 contra o dólar por volta das 10h (horário de Brasília) de 5,43 antes. A moeda recuperou recentemente algumas perdas resultantes de uma onda de vendas motivada por preocupações sobre a capacidade do banco central de responder adequadamente ao aumento da inflação e à deterioração dos laços com Washington. A lira recuou cerca de 30 por cento contra o dólar este ano.

Os preços do produtor subiram 0,91 por cento em outubro, para um aumento anual de 45,01 por cento. O núcleo da inflação subiu 24,34 na comparação anual.

A inflação de outubro foi impulsionada por um aumento de 12,74 por cento mensal nos preços de roupas e calçados e um aumento de 4,15 por cento nos preços da habitação, mostraram os dados.

Mais Economia