ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Boeing lança boletim de segurança para pilotos após acidente na Indonésia

Tim Hepher e David Shepardson

07/11/2018 09h40

WASHINGTON/ZHUHAI, China (Reuters) - A Boeing informou nesta quarta-feira (7) que emitiu um boletim de segurança lembrando aos pilotos como lidar com dados errados de um sensor importante na esteira do acidente na semana passada na Indonésia.

A empresa afirmou que investigadores trabalhando na queda de uma aeronave da Lion Air na costa da Indonésia, na qual morreram todas as 189 pessoas a bordo, descobriram que um dos sensores de "ângulo de ataque" no Boeing 737 MAX estava fornecendo dados errados nos últimos quatro voos.

Leia também:

Especialistas dizem que o ângulo de ataque é um parâmetro crucial que ajuda os sistemas da aeronave a entender se seu nariz está muito alto em relação à corrente de ar --um fenômeno que pode colocar o avião em uma parada aerodinâmica e fazê-lo cair.

Existem procedimentos para os pilotos seguirem no caso de falta de dados de sensores danificados na fuselagem, mas ainda não está claro quanto tempo a tripulação do voo JT610 teve para responder no nível relativamente baixo em que estavam voando.

A Boeing informou que seu boletim ressalta "os procedimentos existentes de tripulação de voo", projetados para lidar com as circunstâncias em que as informações enviadas à cabine de pilotos pelos sensores estão incorretas.

Uma fonte disse sob condição de anonimato que o boletim da Boeing se referia apenas ao 737 MAX, dos quais há pouco mais de 200 em serviço.

A fabricante entregou 219 jatos 737 MAX para clientes em todo o mundo, com 4.564 pedidos ainda a serem entregues. O Boeing 737 MAX é uma versão mais eficiente em termos de combustível do que a série 737 de corredor único, a mais vendida da empresa.

O acidente da Lion Air foi o primeiro envolvendo a nova versão, que as companhias aéreas colocaram em serviço no ano passado.

Para ser piloto da Esquadrilha da Fumaça, precisa ter 1.500 horas de voo

UOL Notícias

Mais Economia