PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Após prisão de CEO, ações da Renault desabam 9,4% e puxam Bolsas da Europa

19/11/2018 18h09

LONDRES/MILÃO, 19 Nov (Reuters) - Os índices europeus voltaram a cair nesta segunda-feira (19), fechando na mínima de três semanas conforme as ações de tecnologia enfrentaram uma nova pressão de vendas com as preocupações sobre demanda do iPhone da Apple e a montadora Renault afundou, depois da prisão de seu CEO por suposta má conduta financeira.

O índice FTSEurofirst 300 caiu 0,71%, a 1.399 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,73%, a 355 pontos.

O STOXX 600 abriu em alta de 0,6%, mas caiu rapidamente, encerrando o dia com recuo de 0,7%, o quarto pregão consecutivo de quedas. O mercado baixista atual tornou consideravelmente mais difícil que os índices segurem ganhos iniciais.

Leia também:

Nissan vai demitir brasileiro Carlos Ghosn, preso por fraude financeira
Carlos Ghosn detido em Tóquio sob suspeita de sonegação
Brasileiro Carlos Ghosn colecionou fama e crises na Renault-Nissan

A Renault teve a maior queda do STOXX 600 depois que seu CEO, Carlos Ghosn, que também é chair da montadora japonesa Nissan, que é parceira da Renault, foi preso no Japão por suspeitas de declarar um salário menor.

Prisão de Ghosn coloca em risco futuro da aliança entre empresas do setor de automóveis

A queda dramática de uma das pessoas mais conhecidas na indústria global de automóveis levantou dúvidas entre investidores sobre o futuro da aliança, derrubando as ações da Renault em 9,4%, para seu menor nível desde outubro de 2014.

"É difícil não concluir que haverá um golfo se abrindo entre a Renault e a Nissan", disse Max Warburton, analista da Bernstein, elevando a perspectiva de uma potencial "re-japanização" da Nissan e o fim da aliança.

A queda, a maior desde o plebiscito do Reino Unido para deixar a União Europeia, eliminou cerca de US$ 2 bilhões em valor de mercado da companhia.

O setor que mais perdeu foi o de tecnologia, com recuo de 2%, para uma mínima de 20 meses no fechamento, com o setor atingido por um recuo das ações da Apple, por temores sobre a demanda por iPhone.

  • O índice FTSEurofirst 300 fechou em queda de 0,71%, a 1.399 pontos.
  • Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,19%, a 7.000 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,41%, a 11.210 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,79%, a 4.985 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,29%, a 18.823 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,56%, a 9.006 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,21%, a 4.903 pontos.