ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

China importa 1ª carga de petróleo dos EUA em 2 meses; comerciantes seguem cautelosos

03/12/2018 10h58

Por Florence Tan e Chen Aizhu

CINGAPURA/PEQUIM (Reuters) - A China importou sua primeira carga de petróleo dos Estados Unidos em aproximadamente dois meses na semana passada, segundo fontes do setor e dados do Refinitiv Eikon, um acordo feito por um refinador independente em meio a tensões comerciais.

Os compradores chineses evitaram o petróleo dos EUA durante a guerra comercial dos dois países, temendo a imposição de tarifas.

As duas maiores economias do mundo concordaram no fim de semana em suspender a imposição de novas tarifas sobre os produtos umas das outras por 90 dias, embora os comerciantes de petróleo chineses tenham dito que ainda estão cautelosos e em busca de orientação de Pequim.

A refinaria independente Shandong Yuhuang Petrochemicals recebeu sua primeira carga de petróleo bruto dos EUA na semana passada, disse um executivo da empresa.

"Decidimos comprar essa carga norte-americana porque ela tem um bom custo-benefício", disse o executivo, que não quis se identificar devido à política da empresa.

Uma embarcação de grande porte descarregou cerca de 1 milhão de barris de petróleo bruto da Southern Green Canyon em Lanshan, na província de Shandong, em 28 de novembro, segundo dados do Refinitiv Eikon.

A Unipec havia alugado o super petroleiro para enviar petróleo americano para a China. O navio New Courage foi chamado pela primeira vez na ilha de Cezi, em Zhoushan, província de Zhejiang, onde descarregou em 23 de novembro cerca de 260 mil barris de óleo cru da América Latina, segundo os dados.

A Sinopec <600028.SS>, a empresa-mãe da Unipec, se recusou a comentar.

Os dados alfandegários chineses registraram as últimas importações dos Estados Unidos em setembro e uma pesquisa em seu banco de dados não mostrou nenhuma importação em outubro.

As importações chinesas de petróleo dos Estados Unidos caíram para o menor nível em mais de dois anos, depois que Pequim ameaçou impor tarifas em agosto, apesar de mais tarde ter retirado o petróleo dos Estados Unidos da lista de sanções.

(Reportagem de Chen Aizhu em Pequim e Florence Tan em Cingapura)

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia