ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

GPA prevê investir até 12,5% mais em 2019, mira em expansão orgânica e conversões de lojas

05/12/2018 17h59

Por Gabriela Mello

SÃO PAULO (Reuters) - O Grupo Pão de Açúcar (GPA) elevará os investimentos no próximo ano para até 1,8 bilhão de reais, 12,5 por cento mais que neste ano, mantendo o forte ritmo de expansão da bandeira Assaí, além de retomar o crescimento orgânico no segmento premium e acelerar conversões de supermercados para as bandeiras Compre Bem e Mercado Extra.

"Enxergamos 2019 como sendo bem mais positivo que 2018, tanto é que estamos aumentando o investimento para até 1,8 bilhão de reais, mas o grande crescimento mesmo vem em 2020", afirmou nesta quarta-feira a jornalistas o presidente da varejista, Peter Estermann, antes de encontro com investidores na capital paulista.

O executivo ressaltou, contudo, que a materialização das apostas dependerá do avanço das tão aguardadas reformas e da melhora do cenário macroeconômico, incluindo a redução do desemprego e a manutenção de juros baixos. "Temos que ver o que vai acontecer nos 180 primeiros dias desse governo", ponderou.

Estermann disse que a companhia esteve se preparando nos últimos quatro anos para acelerar o crescimento assim que as condições de mercado se tornem mais favoráveis.

Para 2019, a varejista brasileira controlada pelo francês Casino prevê que as vendas no conceito mesmas lojas aumentem acima da inflação tanto no Assaí quanto nas bandeiras do multivarejo.

O investimento de 1,8 bilhão de reais planejado para o próximo ano é o maior do GPA Alimentar nos últimos 10 anos e se iguala ao anunciado no início desta semana pelo seu principal concorrente, o Carrefour Brasil, que decidiu manter o ritmo em relação a este ano.

Segundo Estermann, os recursos serão destinados à expansão orgânica de lojas das marcas Assaí e Pão de Açúcar, além de conversões e tecnologia.

No atacarejo, o processo de conversões de hipermercados em lojas Assaí já está praticamente concluído e a meta agora é abrir 15 a 20 novas lojas por ano até 2021.

Para o multivarejo, além das conversões de supermercados em Compre Bem e Mercado Extra, o plano é retomar o crescimento orgânico da marca Pão de Açúcar nos formatos super e proximidade (Minuto Pão de Açúcar). "Enxergamos oportunidade gigantesca do segmento premium do Pão de Açúcar, com potencial de crescer pelo menos 100 lojas (novas) nos próximos quatro anos", afirmou o presidente.

Só em 2019, serão abertas de 5 a 10 novas lojas Pão de Açúcar e 10 unidades do Minuto Pão de Açúcar, acrescentou Estermann, citando também esforços para converter alguns supermercados existentes em lojas de "geração 7", que têm foco em sortimento e perecíveis. O grupo não abria novas lojas Pão de Açúcar desde 2016.

O GPA deve encerrar 2018 com 20 supermercados de geração 7 e o objetivo é chegar a 50. "No ano que vem o plano é converter mais 20 a 25 lojas para geração 7... É uma mudança radical", disse.

Ainda no multivarejo, a companhia mira 30 a 35 conversões de Extra Super para Compre Bem e outras 40 a 50 para Mercado Extra. "Até o fim de 2019 teremos 100 lojas convertidas para Compre Bem ou Mercado Extra, o que é um movimento muito forte", comentou Estermann. Em 2018, foram 23 conversões para Mercado Extra e 13 para Compre Bem.

Não há planos de expansão para o Extra Hiper e o Mini Extra no próximo ano e o foco será consolidar a melhora operacional conquistada nos últimos meses nesses dois formatos.

Paralelamente, o GPA dará continuidade aos esforços para elevar a participação de marcas próprias de produtos no faturamento total para 20 por cento até 2020, ante 10 por cento atualmente, disse o diretor de marcas exclusivas Wilhelm Kauth.

TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

O GPA espera dobrar para 140 o número de unidades integradas ao chamado "Delivery Express", por meio do qual as entregas de mercadorias compradas na internet são feitas a partir de lojas em vez de centros de distribuição.

O grupo varejista ainda pretende avançar com o projeto de minihubs de distribuição e já mapeou 30 hipermercados Extra com espaço para estocagem de produtos.

"A ideia é abastecer lojas de super no entorno e fazer entregas de internet a partir desses minihubs também... Temos um piloto em andamento no Itaim e até o fim do primeiro trimestre devemos iniciar o roll-out (lançamento)", disse Estermann, se referindo ao bairro de alta renda da capital paulista.

Conforme o diretor de transformação digital e comércio eletrônico do GPA, Antonio Salvador, a companhia prevê aumento de dígitos altos nas vendas online de alimentos em 2019, com ajuda do Delivery Express. No acumulado deste ano 2018 até setembro, o crescimento chegava a 44 por cento.

Outras prioridades no próximo ano são elevar a base de usuários dos aplicativos Pão de Açúcar Mais e Clube Extra, além de estreitar o relacionamento com startups para desenvolvimento de mais produtos digitais, acrescentou Salvador.

De acordo com ele, o GPA já identificou mais de 350 startups no Brasil para potenciais parcerias e iniciou pilotos com 30 delas.

Em meados de novembro, a empresa anunciou parceria com a Cheftime para o serviço online de assinatura e venda avulsa de kits gastronômicos, em acordo que dá direito ao grupo de adquirir o capital social da startup no período de 18 meses.

"Começamos na unidade da Teodoro (Sampaio, na cidade de São Paulo) e a ideia é escalar para 15 a 20 lojas, principalmente nas que terão Delivery Express, até primeiro trimestre de 2019", afirmou o diretor de transformação digital e varejo online.

Ainda segundo Salvador, o GPA firmou parceria com a incubadora de startups Cubo, do Itaú Unibanco, por meio da qual se encarregará do hub de "foodtechs" dentro do complexo.

Mais Economia