Topo

Ibovespa renova máximas com exterior favorável e expectativa sobre reforma da Previdência

09/01/2019 18h12

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista fechou com o Ibovespa em nova máxima histórica nesta quarta-feira, superando os 93 mil pontos pela primeira vez, em meio a um cenário externo favorável a ativos de risco e perspectivas positivas relacionadas à amplamente aguardada reforma da Previdência no Brasil.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,72 por cento, a 93.613,04 pontos, tendo atingido 93.625,82 pontos no melhor momento da sessão, recorde intradia. O volume financeiro somou 16,5 bilhões de reais.

A expectativa de avanço nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China respaldou o apetite a risco global logo nos primeiros negócios desta quarta-feira, com o governo norte-americano divulgando à tarde que as conversas terminaram com os negociadores focados no pedido de Pequim para comprar mais bens.

A notícia não trouxe euforia ao mercado, que aguardava algum acordo entre os gigantes econômicos, em disputa que tem adicionado preocupações sobre os efeitos no ritmo de crescimento da economia global e no resultado de empresas. Ainda assim, sugeriu disposição de ambos em seguir negociando.

No final da tarde, a ata da última reunião de política monetária do banco central dos EUA mostrou que muitos membros do Federal Reserve defenderam no encontro de dezembro paciência quanto a altas futuras dos juros norte-americanos.

"A ata trouxe um conteúdo benigno a ativos reais, como ações", destacou o operador Alexandre Soares, da BGC Liquidez DTVM, citando ainda os comentários de membros do Fed no documento no sentido de manter uma reserva maior de títulos, bem como atenuar o ritmo da redução das reservas em andamento.

Da cena doméstica, sinalizações recentes de avanço na formulação de proposta de reforma da Previdência, considerada crucial por investidores para a melhora da situação fiscal do país e assim da confiança no Brasil, continuaram chancelando o tom positivo nos negócios.

"A perspectiva de que a proposta da reforma da Previdência poderá ser mais profunda e apresentada pela nova equipe econômica na próxima semana deverá realimentar o ânimo", disse a equipe da corretora Ágora, conforme nota distribuída a clientes mais cedo nesta quarta-feira.

DESTAQUES

- VALE subiu 2,44 por cento, apesar do declínio dos preços do minério de ferro, apoiada na melhora do cenário externo, em particular as expectativas sobre a disputa comercial entre Washington e Pequim.

- PETROBRAS ON avançou 2,02 por cento e PETROBRAS PN valorizou-se 2,08 por cento, favorecidas pela alta do petróleo no exterior, enquanto continuam as expectativas sobre a revisão do contrato de cessão onerosa.

- ITAÚ UNIBANCO PN subiu 1,52 por cento e BRADESCO PN avançou 1,72 por cento, endossando a alta no pregão, contaminadas pelo maior apetite global a risco. BANCO DO BRASIL, por sua vez, caiu 0,27 por cento.

- COSAN fechou em alta de 8,16 por cento, com a equipe do BTG Pactual avaliando, em nota a clientes, que o movimento pode estar relacionado a uma expectativa de que as estimativas da empresa para 2019 surpreendam positivamente.

- BB SEGURIDADE caiu 3,16 por cento, tendo de pano de fundo corte na recomendação por analistas do JPMorgan, de 'neutra' para 'underweight'.

Mais Economia