IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Dólar avança ante real com dados fortes dos EUA e monitorando tramitação da Previdência

14/06/2019 10h56

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar avançava ante o real nesta sexta-feira, com dados fortes dos Estados Unidos concentrando atenções e com investidores monitorando os próximos passos da tramitação da reforma da Previdência.

Às 10:56, o dólar avançava 0,78%, a 3,8847 reais na venda

Na quinta-feira, o dólar encerrou em queda de 0,36%, a 3,8546 reais na venda, menor patamar em dois meses.

O dólar futuro avançava cerca de 0,6% neste pregão.

Investidores monitoravam o noticiário externo nesta sexta-feira, após dados mostrarem que a produção manufatureira dos Estados Unidos avançou em maio, no primeiro ganho mensal neste ano, além de um aumento nas vendas no varejo dos EUA.

Os dados trazem alívio às preocupações de que a economia norte-americana está desacelerando sob pressão do cenário global.

Com os dados desta sexta-feira, crescem as expectativas pela reunião do Federal Reserve na próxima semana, para a qual agentes financeiros globais já montam posições, em que é esperado que o banco central norte-americano dê indicações sobre o que fará com os juros dos EUA.

No entanto, permanece a cautela ligada à disputa comercial norte-americana com a China e, mais notadamente, com o novo conflito geopolítico com o Irã, o que impulsionou os preços do petróleo.

Internamente, o pregão também mostra algum movimento de correção e de proteção usual por parte de investidores antes do fim de semana.

"Aqui há movimento de correção técnica pelo fim de semana. Nada acentuado demais, porque o nosso ambiente local está mais ou menos tranquilo, em função de relatório da Previdência", explicou o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva.

Após apresentação do parecer do relator na comissão especial na véspera, o mercado se volta agora para os próximos passos da tramitação da reforma.

O impacto fiscal total da reforma da Previdência deve ficar em torno de 1,13 trilhão de reais, mas o parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) ainda não tem uma data para ser votado pela comissão especial da Câmara dos Deputados.

Além da boa recepção do impacto fiscal, o otimismo vem também do entendimento de que, retirados pontos que vinham sendo questionados pela oposição, aumentam as chances de que o texto seja aprovado com rapidez e sem obstruções.

"Com a oposição conseguindo algumas de suas reivindicações, o termômetro de aprovação da PEC na Câmara começa a ficar cada vez mais 'animador'", avaliaram economistas da corretora H.Commcor, em nota.

Mais cedo na semana, o presidente da comissão especial, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), disse que a intenção é colocar o texto para ser votado no colegiado no dia 25 de junho, mas na quinta-feira disse que não teria como "carimbar" uma data.

O BC realiza nesta sessão leilão de até 5,05 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de julho, no total de 10,089 bilhões de dólares.

(Por Laís Martins)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia