IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Governo quer energia solar em projeto de integração do rio São Francisco

05/08/2019 14h56

SÃO PAULO (Reuters) - O governo quer utilizar placas solares para gerar a energia que garantirá o bombeamento de águas do rio São Francisco, ampliando o uso da fonte renovável na região Nordeste, disse o Ministério de Minas e Energia nesta segunda-feira.

O chamado Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF) será enquadrado no Programa de Parceria Público Privada (PPI) da Presidência da República, após decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro que qualifica a iniciativa como prioritária, acrescentou a pasta em comunicado.

O empreendimento de integração do rio a outras bacias hidrográficas do Nordeste prevê dois eixos de canais com 477 quilômetros de extensão com o objetivo de garantir a segurança hídrica de 12 milhões de pessoas em 390 municípios em Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba.

A previsão é implantar placas solares ao longo dos canais de transposição, aquedutos e reservatórios, inclusive nas laterais dos canais, afirmou o Ministério de Minas e Energia.

O chefe da pasta, Bento Albuquerque, e o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, foram autorizados por Bolsonaro a adotar medidas que atraiam "interesse do setor privado para promover leilões de geração de energia renovável na área", ainda segundo o ministério de Minas e Energia.

"É um projeto inédito de integração de leilões de geração em infraestrutura social para o desenvolvimento regional e, de acordo com estimativas recentes poderá proporcionar investimentos da ordem de 15 bilhões de reais."

O projeto renovável para o São Francisco foi anunciado nesta segunda-feira durante visita do presidente Bolsonaro à inauguração de uma usina solar flutuante construída na Bahia pela Chesf, subsidiária da estatal Eletrobras.

A usina flutuante, fruto de um projeto de pesquisa e desenvolvimento (P&D) com investimento de 56 milhões de reais, foi instalada no reservatório da hidrelétrica de Sobradinho, operada pela Chesf.

(Por Luciano Costa)

Mais Economia