Topo

Ibovespa recua com aversão a risco global após Pequim deixar iuan desvalorizar

05/08/2019 11h08

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista começava a semana com fortes perdas, em meio à escalada da guerra comercial entres os Estados Unidos e a China, após a Pequim deixar o iuan se desvalorizar para uma mínima em uma década nesta segunda-feira, o que o presidente norte-americano, Donald Trump, classificou como manipulação cambial.

Às 11:01, o Ibovespa caía 1,7 %, a 100.930,58 pontos, com quase todas as ações do índice no vermelho. O volume financeiro somava 2,77 bilhões de reais.

"O recrudescimento das tensões nas negociações comerciais entre China e Estados Unidos continua aumentando a aversão ao risco nos mercados globais", destacou a equipe da Coinvalores, em nota a clientes enviada mais cedo nesta segunda-feira.

Além das ofensivas de Trump no final de semana, a significativa desvalorização do iuan vista nesta segunda-feira tende a incendiar ainda mais o noticiário, acrescentou.

A China deixou o iuan romper o nível de 7 por dólar pela primeira vez em mais de uma década, num sinal de que o país está disposto a tolerar mais fraqueza no câmbio, em movimento após Trump prometer impor tarifas sobre 300 bilhões de dólares restantes das importações chinesas a partir de 1º de setembro.

No Twitter, Trump classificou o movimento de "manipulação cambial" e acrescentou: "você está ouvindo, Federal Reserve? Essa é uma grande violação que enfraquecerá consideravelmente a China ao longo do tempo!".

No cenário local, as atenções estão voltadas para a retomada das atividades no Congresso Nacional, particularmente a apreciação da reforma da Previdência em segundo turno na Câmara dos Deputados, com o fim do recesso parlamentar no Brasil.

DESTAQUES

- VALE caía 3,6%, na esteira do forte recuo dos preços do minério de ferro na China, com os futuros na bolsa chinesa de Dalian e em Cingapura recuando abaixo de 100 dólares por tonelada nesta segunda-feira. CSN também era pressionada e perdia 4,2%.

- PETROBRAS PN recuava 2,2%, também afetada pelo recuo dos preços do petróleo no mercado externo, em meio à aversão a risco generalizada com o aumento das tensões comerciais entre EUA e China.

- ITAÚ UNIBANCO caía 0,7%, com o setor de bancos como um todo sofrendo com o viés negativo na bolsa decorrente do cenário externo desfavorável a ativos de mercados emergentes, com BRADESCO PN recuando 0,6%.

- KLABIN UNIT cedia 0,5%, tendo oscilado no azul momentaneamente, após resultado trimestral positivo que reverteu prejuízo de um ano antes, ajudada pelo aumento no volume de vendas e um câmbio médio mais alto.

Economia