IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Economia alemã está presa em fase fraca mas crise é improvável, diz ministério

14/10/2019 08h57

BERLIM (Reuters) - É improvável que a economia alemã caia em uma recessão prolongada, mesmo que esteja definhando em um ciclo de crescimento fraco, disse o ministério da Economia da Alemanha nesta segunda-feira.

A economia alemã deve ter leve contração no terceiro trimestre, como ocorreu no período de abril a junho, à medida que as exportações enfraquecem devido às incertezas ligadas à saída planejada do Reino Unido da União Europeia, bem como aos conflitos comerciais.

A recessão técnica esperada no terceiro trimestre ocorrerá após nove anos sucessivos de crescimento, alimentados por um 'boom' de exportações - principalmente para a China - e, mais recentemente, por um ciclo impulsionado pelo consumo e sustentado por baixas taxas de juros na zona do euro.

"Uma desaceleração mais forte ou uma recessão clara não são esperadas no momento", disse o ministério. "A indústria alemã, orientada para a exportação, está enfrentando um comércio global fraco, a estagnação da produção global e a menor a demanda por carros".

"A economia alemã permanece em estagnação", acrescentou. "A atividade econômica está paralisada no nível existente".

Economistas expressaram preocupação de que a desaceleração do setor manufatureiro se espalhe, mais cedo ou mais tarde, para outros setores da maior economia da Europa, cujo mercado de trabalho robusto está começando a sentir os efeitos do menor crescimento.

O ministério disse que o crescimento nos serviços e na construção compensava amplamente uma recessão no setor manufatureiro.

Os principais institutos econômicos da Alemanha reduziram suas projeções para o crescimento, prevendo uma expansão de 0,5% este ano e 1,1% em 2020.

O governo publicará suas previsões de crescimento nesta semana. Em abril, estimava um crescimento de 0,5% para 2019 e 1,5% para 2020.

(Por Joseph Nasr)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia