PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Samarco prevê retomar operações no fim de 2020 após obter licença

Rompimento da barragem da Vale e da Samarco matou 19 pessoas e despejou dejeitos no Rio Doce, em MG - Por Marta Nogueira e Luciano Costa
Rompimento da barragem da Vale e da Samarco matou 19 pessoas e despejou dejeitos no Rio Doce, em MG Imagem: Por Marta Nogueira e Luciano Costa

25/10/2019 18h04

Por Marta Nogueira e Luciano Costa

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A Samarco, joint venture entre a Vale e a anglo-australiana BHP, projetou que deverá retomar atividades no final de 2020, afirmou nesta sexta-feira a mineradora que está com as atividades paralisadas desde 2015, após o rompimento de barragem em Minas Gerais que deixou 19 mortos e poluiu o rio Doce.

A companhia afirmou em comunicado à imprensa que obteve nesta sexta-feira a licença de operação corretiva para atividades operacionais do complexo de Germano, onde ocorreu o rompimento de 2015.

A licença corretiva foi concedida pelo Conselho Estadual de Política Ambiental do governo mineiro e representa "passo importante" para o reinício das operações, afirmou a empresa.

A Samarco também disse que espera reiniciar operações com o uso de novas tecnologias para empilhamento de rejeitos a seco, o que exigirá a implementação de um sistema de filtragem.

"A construção da planta de filtragem deverá ocorrer em um prazo aproximado de 12 meses a contar da obtenção da LOC (licença). Durante este período, a empresa continuará com as atividades de prontidão operacional, que inclui a manutenção de equipamentos", explicou a mineradora.

Com o processo de filtragem, a Samarco afirmou que poderá filtrar a parte arenosa do rejeito (80% do volume total) para empilhamento de forma segura, enquanto os 20% restantes serão depositados na cava Alegria Sul, "uma estrutura rochosa confinada, o que aumenta a segurança".

As obras de preparação da cava foram concluídas em meados deste mês, depois de terem sido iniciadas em outubro de 2018.

"Com a aprovação da LOC, a Samarco está autorizada a reiniciar as operações. Entretanto, inicialmente precisamos adotar novas tecnologias de filtragem que aumentarão a segurança", afirmou o presidente da Samarco, Rodrigo Vilela, em nota.

A companhia acrescentou que direcionou cerca de 1,94 bilhão de dólares, ou 6,68 bilhões de reais, para medidas de reparação e compensação após o rompimento da barragem.

A Samarco também estimou que despesas relacionadas à necessidade de descaracterização da barragem de Germano e sua cava, que não estavam sendo consideradas em plano de negócios divulgado em janeiro, somarão aproximadamente 2,3 bilhões de reais.

PRODUÇÃO

A Samarco acrescentou que espera reiniciar as atividades por meio de um concentrador, com produção de entre 7 e 8 milhões de toneladas por ano após a instalação da tecnologia de filtragem.

A empresa projetou que um segundo concentrador poderia ser reiniciado em aproximadamente seis anos e levar a produção a aproximadamente entre 14 e 16 milhões de toneladas por ano de minério de ferro.

Em 10 anos, com o reinício do terceiro concentrador, a companhia poderia alcançaria volume de produção de entre 22 e 25 milhões de toneladas.