PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Votação de acordo entre GM e UAW entra nas horas finais

25/10/2019 10h58

DETROIT (Reuters) - Trabalhadores em greve das fábricas da General Motors terminarão de votar nesta sexta-feira um contrato de quatro anos que poderia acabar uma greve de 40 dias que custou a maior montadora dos EUA mais de 2 bilhões de dólares, de acordo com Wall Street.

Os trabalhadores da fábrica de Detroit-Hamtramck ratificaram o contrato na quinta-feira com uma margem de 3 para 1, de acordo com um post na página do Facebook do UAW. A GM disse que investirá 3 bilhões de dólares para transformar esse complexo em um centro de montagem de caminhões e vans elétricas.

Com quase metade dos votos do sindicato United Auto Workers contados na manhã de quinta-feira, estima-se que 55% dos membros restantes teriam que votar "não" para que o acordo proposto fracassasse, de acordo com uma contagem não oficial da Automotive News.

Alguns locais ainda estão concluindo a votação, e o sindicato está programado para anunciar os resultados finais na tarde desta sexta-feira. O UAW recomendou que os 48 mil membros da GM, que permaneceram nas linhas de piquetes, ratificassem o acordo alcançado em 16 de outubro.

A greve da GM começou em 16 de setembro, com os negociadores do UAW buscando salários mais altos para os trabalhadores, maior segurança no emprego, maior participação nos lucros e benefícios de saúde. Outras questões incluíam o destino das fábricas que a GM visava fechar, bem como o uso de trabalhadores temporários com salários mais baixos.

Segundo o acordo, a GM investirá 9 bilhões de dólares nos Estados Unidos, incluindo 7,7 bilhões diretamente em suas fábricas, com o restante sendo destinado a joint ventures. A empresa de Detroit também criaria ou manteria 9 mil empregos no UAW, parte substancial dos quais seriam novos, disse uma fonte anteriormente. O contrato oferece 11 mil dólares em bônus de assinatura aos membros e aumentos de salário.

Se o acordo for aprovado pelos trabalhadores, o sindicato começará a negociar com a Ford Motor ou a Fiat Chrysler , cobrindo muitos dos mesmos problemas. O UAW concordou anteriormente em prorrogar temporariamente os contratos com as duas montadoras enquanto focava na GM.

(Por Ben Klayman)