IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Ao final, deu 'no show', diz Guedes sobre megaleilão do petróleo

Ministro responsabilizou o regime de partilha pelo resultado do certame, em que apenas dois dos quatro blocos receberam ofertas - Pedro Ladeira/Folhapress
Ministro responsabilizou o regime de partilha pelo resultado do certame, em que apenas dois dos quatro blocos receberam ofertas Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

07/11/2019 17h25

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, se disse nesta quinta-feira "apavorado" com o fato de o leilão do excedente da cessão onerosa não ter atraído as grandes empresas do setor de petróleo e responsabilizou o regime de partilha pelo resultado do certame, em que apenas dois dos quatro blocos receberam ofertas, da Petrobras e de estatais chinesas.

"Tivemos uma dificuldade enorme para, no final, nós vendermos para nós. Ficamos cinco anos conversando a respeito, fizemos um trabalho espetacular, aprofundando, examinando. Chegou ao final, deu 'no show'", disse o ministro durante evento no Tribunal de Contas da União.

Guedes apontou a contradição de um leilão promovido por uma equipe econômica liberal ter como resultado final o fortalecimento da estatal Petrobras.

"Sumiu todo mundo da sala, só ficou ela lá", afirmou o ministro.

Para Guedes, o saldo do leilão foi resultado do regime de partilha, que disse considerar "ruim".

"Será que a concessão, que é usada no mundo inteiro, não é melhor que a partilha, que é usada por influência de alguns operadores petroleiros franceses em regimes corruptos na África?", questionou o ministro.

No regime de partilha, adotado pelo país nas áreas do pré-sal, vence a licitação para exploração de blocos de petróleo o consórcio que oferecer a maior parcela de lucro futuro à União. A Petrobras tem o direito de preferência para atuar como operadora dos blocos.

Nas concessões, adotadas fora das áreas do pré-sal, vence o consórcio que oferecer ao governo o maior valor pelo direito de exploração (bônus de assinatura), e não há compartilhamento da produção em caso de descoberta de petróleo ou gás.

"Não existe leilão vazio em concessão. Se o negócio tá na mão, você está na mesa, uma porção de gente vem", disse Guedes, acrescentando que, quando o país migrar para o modelo de concessão, "vão ter 17, 18 caras querendo comprar".

(Redação Brasília)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia