PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Bolsonaro desmente Doria sobre privatização de portos federais em SP

"O senhor está completamente desinformado", disse o presidente dirigindo-se ao governador de São Paulo - Reuters
"O senhor está completamente desinformado", disse o presidente dirigindo-se ao governador de São Paulo Imagem: Reuters

Ricardo Brito

09/01/2020 20h21

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) rebateu o governador de São Paulo e potencial adversário na sucessão presidencial de 2022, João Doria (PSDB), ao desmentir a notícia de que haveria a privatização dos portos de Santos e de São Sebastião - cuja gestão atualmente está a cargo do governo federal - ainda neste ano.

Em uma transmissão nas redes sociais na noite desta quinta-feira, Bolsonaro destacou que seu ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, já desmentiu essa informação dada por Doria e aproveitou para cutucar o tucano.

"O senhor está completamente desinformado, o ministro desmentiu essa informação e, afinal de contas, com todo respeito, quem pode falar pelos ministros sou eu. Quando o senhor for presidente da República... Daí é fácil. Só se empenhar, estar ao lado da verdade, trabalhar pelo seu Estado, ajudar a sua polícia que o senhor chegará um dia", disse o presidente dirigindo-se ao governador.

"Então, lamento, jogou pressão em cima da gente e não deu certo", reforçou, ao completar que, "por coincidência", nos próximos dias vai visitar o porto de Santos. "Com toda certeza, poderemos ter novidade no porto de Santos também após a nossa visita na segunda-feira. Mas por favor, quem fala de obras federais, ações, é o Jair Bolsonaro, presidente da República, tá ok? No mais, boa sorte para o senhor aqui no Estado."

Na véspera, Doria havia dito que deve intensificar a agenda de leilões de infraestrutura, leiloando no primeiro semestre 21 aeroportos regionais e também licitando os portos de Santos e de São Sebastião ainda neste ano.

Procurada, a assessoria do governador informou que ele não vai comentar as declarações do presidente.

Economia