PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Dólar fecha em queda de mais de 1% ante real com trégua externa

24/03/2020 17h20

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caiu mais de 1% ante o real nesta terça-feira, seguindo movimento global de vendas da moeda norte-americana em dia de maior apetite por risco, à medida que agentes financeiros avaliaram que os estímulos anunciados por bancos centrais e governos podem suprir demanda pela divisa.

O dólar à vista caiu 1,10%, a 5,0821 reais na venda. Na B3, em que os negócios com dólar futuro vão até as 18h, o contrato de primeiro vencimento tinha queda de 1,51%, a 5,0720 reais, às 17h31.

No exterior, moedas emergentes se apreciavam, com rand sul-africano, won sul-coreano e rublo russo entre os destaques positivos. O dólar caía ante 30 dentre 34 pares de países emergentes e desenvolvidos nesta sessão.

Na segunda-feira, o Fed anunciou que compraria títulos em número ilimitado e apoiaria empréstimos diretos a empresas, na mais recente de uma série de medidas adotadas nos últimos dez dias para acalmar os mercados e apoiar a economia.

"A preocupação do mercado era com uma crise de dívida, e essa medida do Fed ajudou a acalmar esse receio", disse Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

Uma medida do prêmio pago por investidores europeus para tomarem dólares caiu a 8 pontos-base nesta terça, de 14,5 pontos-base na véspera. Na prática, isso mostra que o dólar está ficando menos caro, com menor demanda na margem pela moeda.

No Brasil, a taxa do cupom cambial de primeiro vencimento --visto como uma medida da percepção de liquidez no mercado de câmbio-- caía a 1,75% ao ano, de quase 2,5% há cerca de uma semana.

O mercado aguarda ainda a aprovação no Congresso dos EUA de um pacote de 2 trilhões de dólares em auxílio à economia.

Beyruti, contudo, pondera que ainda é cedo para se falar que o pior da crise já passou. "Vamos começar a ver os números de atividade em queda forte, e a crise econômica de fato ainda não é mensurável. O que vimos até agora foi a reação dos mercados", afirmou.

O Banco Central não realizou leilões de câmbio nesta sessão. Mas, apenas em moeda à vista, o BC já vendeu ao mercado neste ano 9,654 bilhões de dólares. Na véspera, o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, reiterou que a taxa de câmbio é flutuante e disse que a autoridade monetária tem arsenal grande nessa área do qual pode lançar mão se entender necessário.