PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Correios pedem a Guedes mais espaço para crédito em meio a crise por coronavírus

Paulo Guedes, ministro da Economia - AFP
Paulo Guedes, ministro da Economia Imagem: AFP

Marcela Ayres

em Brasília

30/03/2020 18h52

Os Correios pediram ao ministro da Economia, Paulo Guedes, espaço para tomarem mais crédito neste ano em meio a crise por coronavírus, alegando que sem injeção de novos recursos suas atividades correm risco e ameaçam saúde e segurança da população.

O pedido foi encaminhado a Guedes pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, conforme documento visto pela Reuters.

Em ofício, técnicos dos Correios argumentaram que os serviços postais entraram na lista de serviços indispensáveis em decreto editado pelo governo e que, diante da pandemia da covid-19, a empresa precisa "manter e até aumentar sua capacidade produtiva de forma a atender às necessidades da população".

"Além disso, será necessário otimizar seu processo produtivo por meio da implantação de lockers para o atendimento e entrega de objetos, automatização e construção de centros de tratamento de encomendas com vistas a aumentar a produtividade e aquisição de veículos mais modernos e com baixo consumo de combustível", acrescentou o ofício.

Os Correios destacaram a necessidade de tomarem empréstimo para arcar com esses gastos, mas a avaliação é que há pouca margem para tanto diante do limite global anual de crédito aos órgãos e entidades do setor público que é definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

"Observa-se que esse limite de crédito estabelecido nas resoluções, é finito, a exemplo do limite para operação de crédito SEM garantia da União, para o ano de 2020, que já está a se exaurir (restam, aproximadamente, na presente data, R$ 45 milhões)."

Por isso, a empresa pediu ao CMN que seja excluída do limite global de crédito, a exemplo do que já vale para Petrobras e Eletrobras, "ainda mais pelo fato de desenvolver atividades essenciais em atendimento às necessidades inadiáveis da comunidade que, se não atendidas, colocarão em perigo a sobrevivência, a saúde e a segurança da população".