PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Cesp não vê impacto material por renegociações de contratos com clientes livres

30/04/2020 12h48

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica paulista Cesp tem um perfil robusto de clientes no mercado livre de eletricidade e não sofreu até o momento nenhum efeito negativo por renegociação de contratos de venda de energia, disse o presidente da companhia nesta quinta-feira.

O comentário vem em momento em que diversas empresas têm buscado negociar a flexibilização de contratos de energia no mercado livre devido à forte redução no consumo em meio à pandemia de coronavírus.

"Não esperamos impactos, ou impacto material, no resultado da Cesp", disse o diretor-presidente, Mario Bertoncini, em teleconferência de resultados com analistas e investidores.

A Cesp, controlada pela Votorantim e pela canadense CPPIB, tem 22% de sua energia negociada com distribuidoras, no mercado regulado, e 78% no ambiente livre, onde grandes empresas negociam o suprimento diretamente com geradores e comercializadoras.

Mas 90% da energia negociada no mercado livre pela Cesp está concentrada em seis clientes que incluem empresas de mineração e de outros setores que têm sofrido pouco com a pandemia, apontou Bertoncini.

Ele afirmou que há "interlocução aberta" com alguns clientes, mas destacou que nenhuma negociação de flexibilização contratual foi concluída até o momento.

"E, se ocorrer, neste momento, dá para passar uma percepção de que será algo bastante razoável."

EXPANSÃO NÃO É FOCO

O presidente da Cesp também disse que a empresa pretende focar seus recursos no curto prazo apenas na manutenção e modernização de seus ativos e em eventuais negociações para redução do passivo contencioso.

"Não é ainda o momento de olharmos expansões. A Cesp, por obrigação, monitora sempre o mercado, está sempre em cima, mas não está na nossa estratégia imediata... estamos preparando a empresa para uma segunda fase, mas não é uma prioridade no momento, não estamos focados nisso", afirmou.

O executivo comentou ainda que a Cesp tem expectativa de que possa ocorrer ainda em 2020 o julgamento em primeira instância de ação da companhia que questiona a indenização recebida do governo ao final da concessão da hidrelétrica Três Irmãos.

A ação está avaliada em 4,7 bilhões de reais, em valores com base em junho de 2012, segundo a empresa.

A Cesp reportou lucro líquido de 53,8 milhões de reais no primeiro trimestre, revertendo prejuízo de 158,2 milhões nos primeiros três meses de 2019.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de 336 milhões de reais, contra 41,6 milhões no ano anterior.

(Por Luciano Costa)