PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Indústria do Brasil tem perdas recordes em abril com queda generalizada da produção por coronavírus

 Trabalhador na produção industrial da Ambev durante pandemia do novo coronavírus - Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier
Trabalhador na produção industrial da Ambev durante pandemia do novo coronavírus Imagem: Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

03/06/2020 09h01

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A pandemia de coronavírus atingiu em cheio a produção industrial do Brasil em abril, provocando queda histórica na comparação com o mês anterior, em meio ao fechamento generalizado de unidades produtivas no país devido às medidas para conter a disseminação do vírus.

Em abril, a produção da indústria despencou 18,8% em relação a março, com a intensificação das restrições de circulação paralisando fábricas e mantendo as pessoas em quarentena em casa.

Essa é a queda mais forte na série histórica iniciada em 2002, e soma-se às já fortes perdas de 9,0% em março, acumulando nesse período contração de 26,1%.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou ainda que, na comparação com abril do ano passado, a produção teve recuo de 27,2%, sexta queda consecutiva e também recorde negativo da série histórica nessa comparação.

A contração, entretanto, foi menor do que a expectativa em pesquisa da Reuters com economistas, de quedas de 29,2% na variação mensal e de 33,1% na base anual.

Depois de dois meses de ganhos no início do ano, a indústria brasileira naufragou com as férias coletivas, paralisações, redução da demanda e isolamento social adotados como medida de contenção à pandemia, e os resultados negativos ainda devem se prolongar.

"Maio é o mês que tem maior presença de empresas fazendo interrupção e paradas, mas é claro que o setor industrial está fora do seu habitual por conta da pandemia e uma interrupção clara na indústria. É um movimento importante de perda de ritmo", explicou o gerente da pesquisa, André Macedo.

"É o pior momento da indústria brasileira. O que dá para dizer é que, com o que já foi observado e com dados prévios, a indústria está totalmente fora de seu padrão e de sua rotina usual", completou.

O mercado já prevê contração de 3,59% da produção industrial este ano, com a economia como um todo retraindo 6,25%, de acordo com a mais recente pesquisa Focus do Banco Central.

Em abril, todas as quatro categorias econômicas apresentaram recuos acentuados, com a produção de Bens de Consumo Duráveis despencado 79,6%, em grande parte pela menor fabricação de automóveis, e de Bens de Consumo Semi e não-Duráveis caindo 12,4%.

A produção de Bens de Capital teve contração de 41,5% em abril, enquanto a de Bens Intermediários caiu 14,8% sobre o mês anterior. Todas marcaram os resultados mais fracos de suas séries históricas.

"Muito dessa queda intensa e espalhamento é fruto do isolamento social por conta da pandemia. Muitas plantas pararam a produção e fizeram paralisações, afetando a produção industrial", disse Macedo.

Dos 26 ramos pesquisados, a produção caiu em 22, sendo que somente o ramo de veículos automotores, reboques e carrocerias apresentou perdas de 88,5% em meio às paralisações em várias unidades produtivas.

Também se destacaram as perdas na fabricação de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-18,4%), de metalurgia (-28,8%), de máquinas e equipamentos (-30,8%), de bebidas (-37,6%) e de produtos de borracha e de material plástico (-25,8%).

Por outro lado, a produção aumentou em itens essenciais, com destaque em produtos alimentícios (3,3%) e produtos com ambos voltando a crescer após quedas no mês anterior.

"Todos têm ligação com o isolamento social. Alimentos repõem perda do mês anterior e os destaques foram a produção de açúcar com início de safra mais cedo na região centro-sul. Tem também ligação com o consumo doméstico maior como carnes de aves e bovinas impulsando a produção", completou Macedo.

No primeiro trimestre, o Produto Interno Bruto brasileiro contraiu 1,5%, sendo que somente a indústria recuou 1,4%.