PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Fed diz que vencer a pandemia é fundamental, mas como saberá se as coisas estão melhores?

08/06/2020 09h36

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - Após três meses de respostas a uma pandemia global, autoridades do Federal Reserve concordaram com um ponto: o progresso duradouro na frente econômica será ditado pelo sucesso em conter a disseminação do coronavírus.

Mas um acordo além disso pode ser difícil à medida que as autoridades do Fed se reúnem esta semana para avaliar os novos sinais de que os Estados Unidos podem estar superando as piores consequências econômicas da pandemia contra evidências de que o vírus ainda não está sob controle.

Um ganho inesperado de mais de 2,5 milhões de empregos nos EUA no mês passado será um fator importante em seu debate, assim como qualquer sugestão de que a alta no emprego e em outras atividades seja amplamente acompanhada por uma maior transmissão do novo coronavírus.

O caminho adotado pelo Fed pode moldar as decisões sobre a expansão ou criação de novos programas de emergência em antecipação a uma crise econômica mais extensa ou sobre a melhor forma de apoiar empresas e famílias se, de fato, a pandemia estiver diminuindo.

O banco central dos EUA tem debates em andamento em cada frente, tanto sobre os compromissos de longo prazo que pode assumir para ancorar os juros em um nível baixo para uma recuperação quanto sobre a busca contínua — como colocou o chair do Fed, Jerome Powell, na semana passada — por empresas com um número substancial de funcionários que não foram apoiadas por nenhum dos programas de crise lançados até agora.

Os impressionantes dados sobre emprego de maio divulgados pelo Departamento do Trabalho dos EUA na sexta-feira podem atenuar parte da urgência que acompanha as reuniões do Fed desde março.

Depois de ter reduzido os juros para quase zero e lançado uma série de programas de crédito em um frenesi de reuniões de emergência em março, nenhuma grande decisão de política monetária é esperada para a quarta-feira, quando o Comitê Federal de Mercado Aberto norte-americano encerra sua última reunião de dois dias. O Fomc divulgará sua decisão na quarta-feira, e Powell deve realizar uma coletiva de imprensa logo em seguida.

As autoridades, no entanto, divulgarão projeções econômicas pela primeira vez desde dezembro, antes de uma expansão econômica de uma década ser abafada pela onda massiva de desemprego que se seguiu aos amplos bloqueios para impedir a propagação da Covid-19, a doença respiratória causada pelo coronavírus.

As projeções para março foram arquivadas porque havia tanta incerteza em torno da economia em colapso que os formuladores de políticas consideraram inútil adivinhar para onde estavam indo o desemprego, a inflação e o crescimento econômico.

Para o Fed, a forma de entender tudo isso se tornou um teste impressionista, com as autoridades observando o mesmo conjunto de informações e observando trajetórias diferentes.

Cotações