PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Wall St fecha em alta com sinais de recuperação econômica

16/06/2020 17h14

Por Stephen Culp

NOVA YORK (Reuters) - Wall Street avançou nesta terça-feira, com perspectiva de estímulo adicional e salto recorde nas vendas no varejo sugerindo que a economia dos Estados Unidos pode se recuperar mais cedo do que o esperado da recessão provocada pela pandemia.

Todos os três principais índices de ações dos EUA registraram seu terceiro ganho diário consecutivo.

O Dow Jones e o S&P 500 permanecem cerca de 11% e 8% abaixo de suas respectivas máximas recordes de fechamento alcançadas em fevereiro, enquanto o Nasdaq, com forte peso de papéis do setor de tecnologia, está cerca de 1% abaixo da sua máxima histórica de fechamento, alcançada em 10 de junho.

Dados divulgados pelo Departamento de Comércio mostraram que as vendas no varejo aumentaram 17,7% em maio, superando o crescimento de 8% esperado pelos analistas.

O apetite de investidores por risco teve impulso adicional do esperado pacote de infraestrutura de 1 trilhão de dólares do governo Trump direcionado para reativar a economia.

"O dado das vendas no varejo é a notícia que impulsiona os mercados", disse Ryan Detrick, estrategista sênior de mercado da LPL Financial em Charlotte, Carolina do Norte. "Mas o cheiro de estímulo no ar está fortalecendo os ganhos de hoje, com certeza."

"Recebemos notícias potencialmente mais positivas na luta contra o Covid-19", acrescentou Detrick. "Mas, embora o Covid esteja na cabeça da maioria das pessoas, na visão do mercado acionário tudo se resume à reabertura, e os fortes dados sugerem que a recuperação está ocorrendo e mais rápido do que o esperado."

No primeiro dia dos dois de testumunho ao Congresso, o chair do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Jerome Powell, afirmou: "Até que a população tenha certeza de que a doença está contida, uma recuperação total é improvável".

O Dow Jones subiu 2,04%, para 26.289,98 pontos, o S&P 500 ganhou 1,90%, para 3.124,74 pontos, e o Nasdaq valorizou 1,75%, para 9.895,87 pontos.

Economia