PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Bolsonaro convoca ministros para discutir reação à prisão de Queiroz

18/06/2020 14h20

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - A notícia da prisão de Fabrício Queiroz na casa de Frederik Wasseff, advogado do presidente Jair Bolsonaro e de seu filho, o senador Flávio, fez o presidente convocar, na manhã desta quinta-feira, seus principais assessores jurídicos para uma reunião fora da agenda e tentar traçar uma reação coordenada.

Bolsonaro convocou o ministro da Justiça, André Mendonça, e o secretario-geral da Presidência, Jorge Oliveira --também responsável pelos assuntos jurídicos da Presidência--, além de ministros palacianos, para discutir a situação, confirmaram à Reuters duas fontes a par do tema.

Até agora, no entanto, a resposta do Planalto tem sido o silêncio. Pela manhã, Bolsonaro deixou o Palácio da Alvorada mais cedo que de costume, pouco depois das 8h, e não parou nem mesmo para atender seus apoiadores, que costumam se reunir no local todas as manhãs.

Procurados, nem o Planalto nem ministros palacianos comentaram oficialmente o tema.

Queiroz, ex-policial militar e ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, é homem central no escândalo da rachadinha. Ele foi assessor de Flávio quando o atual senador era deputado estadual no Rio. A suspeita é de apropriação e desvio de parte dos salários dos servidores do gabinete do parlamentar.

Tratado como amigo próximo por Bolsonaro e seus filhos, estava desaparecido desde o ano passado e tanto a família Bolsonaro quanto o próprio Wasseff, advogado de Flávio no caso, alegavam não ter contato com ele.

Um assessor próximo do presidente avalia que a prisão do ex-PM em uma casa de Wassef, em Atibaia (SP), leva a crise do caso Queiroz, que sempre rondou Bolsonaro, para dentro do Palácio do Planalto, algo que o presidente sempre tentou evitar.

"Era de se esperar. Wassef caiu nas graças da família, estava em todos os lugares, mas não era de confiança", diz a fonte.

Advogado de São Paulo, Wasseff começou a se aproximar da família Bolsonaro em 2016, quando passou a procurar o presidente, na época deputado federal, se dizendo um admirador de seu trabalho. Em 2019, passou a defender Flávio na investigação do esquema de rachadinha da Alerj e se aproximou definitivamente da família, assumindo também o caso de Bolsonaro contra Adélio Bispo, o homem que atacou o então candidato com uma faca, em Juiz de Fora (MG).

O advogado abriu um escritório em Brasília, se diz consultor jurídico da família e é visto com frequência no Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente, e no Planalto, em encontros oficiais mas, mais comumente, em reuniões fora da agenda. Esta semana, esteve na posse do novo ministro das Comunicações, Fábio Faria. Na semana passada, também esteve com o presidente em um encontro fora da agenda.

Economia