PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Nyse volta a propor à Sec proposta de listagem direta em IPOs

22/06/2020 14h33

Por Joshua Franklin

NOVA YORK (Reuters) - A Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) sugeriu à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) nesta segunda-feira a mudança de uma regra para permitir que empresas estreiem no mercado de ações por meio de uma listagem direta para levantar capital.

A medida tem o potencial de transformar o mercado de ofertas públicas iniciais (IPOs), geralmente coordenadas por bancos de investimento, em vez as empresas venderem ações diretamente aos investidores.

A SEC recusou um pedido anterior da Nyse, em dezembro, para permitir que empresas vendam ações por meio de uma listagem direta, mas não divulgou os motivos de sua decisão na época.

"Queremos fornecer às empresas o que é indiscutivelmente um mecanismo de precificação mais eficiente para sua abertura de capital", disse o vice-presidente e diretor comercial da Nyse, John Tuttle, em entrevista por telefone.

A SEC não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Em sua última proposta, a Nyse estabeleceu em detalhes um mecanismo para o primeiro negócio sob uma listagem direta, incluindo como seria definido um preço mínimo para as ações.

A Nyse desistiu da ideia de pedir que a SEC suspenda o requisito de que as empresas tenham pelo menos 400 acionistas dos chamados lotes-padrão no momento da listagem.

"Com o mercado de IPO em ascensão como está agora, chegou a hora de avançar mais nesta opção", disse Tuttle.

Cerca de 56 empresas abriram capital nos EUA até agora em 2020, captando 18,4 bilhões de dólares, ante 160 empresas que levantaram 46,3 bilhões de dólares ao longo de 2019, segundo a Renaissance Capital. O mercado de IPOs foi amplamente reduzido nos últimos dois meses devido à pandemia de coronavírus, mas a atividade se recuperou nas últimas semanas.

A SEC já permite listagens diretas para empresas que não levantam capital no processo. Em 2018, a empresa de streaming de música Spotify foi a primeira de grande porte a abrir capital por meio de uma listagem direta, seguida em 2019 pela plataforma de comunicação corporativa Slack.

Economia