PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Empresas dos EUA veem aumento na atividade, mas cenário ainda pesa, mostra Livro Bege do Fed

Os indicadores podem em breve começar a patinar, conforme casos do novo coronavírus disparam novamente - Chris Wattie
Os indicadores podem em breve começar a patinar, conforme casos do novo coronavírus disparam novamente Imagem: Chris Wattie

Lindsay Dunsmuir e Howard Schneider

Da Reuters, em Washington

15/07/2020 15h50

As empresas norte-americanas viram aumento na atividade no início de julho, à medida que os Estados reduziram as restrições que visavam conter a nova pandemia de coronavírus, mostrou um relatório do Federal Reserve hoje, mas muitas companhias estavam incertas sobre as perspectivas econômicas.

O quadro misto mostrado pela mais recente coleta pelo BC dos EUA de avaliações de empresas diz respeito a dados econômicos, desde a taxa de desemprego até a atividade fabril, que melhoraram desde que as quarentenas foram flexibilizadas em muitas partes do país no final de maio. Contudo, os indicadores podem em breve começar a patinar, conforme casos do novo coronavírus disparam novamente.

"A atividade econômica acelerou em quase todos os distritos, mas permaneceu bem abaixo de onde estava antes da pandemia do covid-19", afirmou o Fed em seu relatório. "As perspectivas permaneceram altamente incertas, pois os contatos (as empresas) debatem por quanto tempo a pandemia de covid-19 continuará e a magnitude de suas implicações econômicas."

A pesquisa do Fed, conhecida como "Livro Bege", foi realizada em seus 12 distritos entre o final de maio e 6 de julho.

Economistas projetam que a economia dos EUA tenha sofrido no segundo trimestre a maior contração desde a Grande Depressão, e as esperanças iniciais de uma rápida recuperação econômica têm se diluído à medida que os Estados Unidos continuam em dificuldades para conter o vírus quase cinco meses após o primeiro caso constatado em solo norte-americano.

Autoridades do Fed alertaram ontem para uma "névoa espessa" sobre a economia à frente, à medida que continuavam a redefinir expectativas quanto ao ritmo da recuperação, em meio a temores de que uma segunda onda de casos possa causar o aumento do desemprego.

O ressurgimento de novas infecções, especialmente nas populosas regiões sul e oeste, levou algumas autoridades nessas regiões a fechar negócios novamente ou interromper a reabertura.