PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Vale terá que aportar R$7,9 bi em garantias por Brumadinho até dia 23

Bombeiros retiram corpo de funcionário que morreu esmagado após ficar preso em esteira de transportadora em Brumadinho (MG) - Por Luciano Costa
Bombeiros retiram corpo de funcionário que morreu esmagado após ficar preso em esteira de transportadora em Brumadinho (MG) Imagem: Por Luciano Costa

Luciano Costa

Da Reuters, em São Paulo

15/07/2020 08h23

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A mineradora Vale informou que uma decisão judicial estabeleceu que a companhia deverá apresentar até 23 de julho garantias no valor de cerca de 7,9 bilhões de reais para assegurar eventuais pagamentos de multas pelo desastre de Brumadinho (MG).

Em fato relevante nesta quarta-feira, a companhia disse ainda que "recorrerá da decisão e adotará todas as medidas necessárias para assegurar seu direito de defesa dentro dos prazos legais".

Segundo a Vale, a exigência da garantia veio após desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais ter indeferido um pedido de efeito suspensivo apresentado pela companhia.

No início da tarde, as ações da empresa operavam em queda de 1,5%, a 60,80 reais, após abrirem em alta seguindo máxima histórica nominal registrada na véspera.

Os ganhos na terça-feira ocorreram em meio à expectativa de analistas de que a empresa possa retomar nos próximos meses sua política de distribuição de dividendos, suspensa após o incidente em Brumadinho, em janeiro passado, que deixou centenas de mortos.

A decisão judicial contra a Vale veio após ação promovida pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MP-MG), na qual procuradores pediram que a empresa fosse condenada por prática de ato de corrupção e obrigada à reparação integral de danos causados pelo rompimento da barragem.

As garantias bilionárias foram exigidas inicialmente no final de maio, mas em junho a empresa chegou a conseguir liminar para suspender a decisão.

Na época, os procuradores mineiros comentaram que o valor exigido da mineradora foi o maior já reconhecido em uma ação judicial dessa natureza no Brasil.