PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Dólar recua ante real após salto recente em meio a otimismo externo; mercados digerem ata do Copom

11/08/2020 09h14

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar perdia força contra o real na manhã desta terça-feira, devolvendo alguns de seus ganhos recentes em meio ao bom humor externo, enquanto os investidores digeriam a ata do Banco Central sobre sua última decisão de juros.

Às 10:18, o dólar recuava 0,50%, a 5,4378 reais na venda. O dólar futuro negociado na B3 tinha queda de 0,76%, a 5,4455 reais.

"A gente vê que o ambiente externo está positivo hoje", disse à Reuters Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho. "A notícia de que o (presidente dos EUA Donald) Trump está planejando corte de imposto e a notícia da vacina da Rússia -- embora resultados não tenham sido divulgados -- favorecem o bom humor."

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta terça-feira que o país tornou-se o primeiro do mundo a dar aprovação regulatória para uma vacina contra a Covid-19 depois de menos de dois meses de testes em humanos.

A vacina será produzida no Brasil e a fabricação dela na América Latina iniciará em novembro, desde que obtida aprovação regulatória, disse o chefe do fundo soberano da Rússia, Kirill Dmitriev.

Enquanto isso, nos EUA, o presidente Donald Trump assinou no sábado uma série de decretos para oferecer alívio econômico adicional aos norte-americanos atingidos pela pandemia do coronavírus depois que seus negociadores não conseguiram chegar a um acordo com o Congresso.

Segundo Luciano Rostagno, cerca de 70% da valorização do real nesta terça-feira era resultado de componentes externos. Outras moedas arriscadas apresentavam comportamento misto contra o dólar.

Já no Brasil, o Banco Central afirmou que a Selic está próxima de um limite a partir do qual poderia provocar instabilidade nos preços de ativos e, sobre a porta aberta para eventuais cortes nos juros básicos à frente, indicou que precisará de maior clareza sobre a atividade econômica, sendo que essas reduções podem ser "temporalmente espaçadas".

"Na nossa leitura, a ata sinaliza haver uma assimetria no cenário na direção de mais cortes de juros, diante de pressões desinflacionárias características da pandemia, mas por outro lado aponta a necessidade de cautela por conta dos impactos de juros em níveis sem precedentes sobre a estabilidade financeira", disseram em nota analistas do Bradesco.

A redução dos juros a mínimas históricas sucessivas tem sido um fator apontado como principal responsável pela valorização do dólar frente ao real em 2020, uma vez que prejudica rendimentos locais atrelados à Selic, afastando o investimento estrangeiro e afetando o fluxo cambial. A moeda norte-americana acumula ganho de aproximadamente 35% no ano.

Na última sessão, o dólar à vista teve alta de 0,97%, a 5,4649 reais na venda.

Nesta terça-feira, o Banco Central fará leilão de swap tradicional de até 10 mil contratos com vencimento em novembro de 2020 e março de 2021.