PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Bancos dos EUA avaliam demissões de olho em custos de longo prazo

28/08/2020 11h57

Por Elizabeth Dilts Marshall e Anirban Sen e Imani Moise

NOVA YORK (Reuters) - No auge da pandemia de coronavírus há alguns meses, os chefes de bancos dos Estados Unidos, incluindo Morgan Stanley, Bank of America e outros, prometeram não cortar nenhum emprego em 2020 porque era a coisa certa a fazer.

No entanto, à medida que os executivos se preparam para uma recessão prolongada e perdas com empréstimos que a acompanham, as demissões voltaram a ser tema de discussões, disseram consultores, especialistas e analistas do setor.

Em comparação com as projeções de abril, economistas e executivos de bancos esperam que a economia dos EUA demore mais para se recuperar, com o desemprego ainda alto em 2021 e taxas de juros próximas de zero no futuro próximo.

Além disso, o trabalho remoto mostrou a alguns gerentes que precisam de menos funcionários para fazer a mesma quantidade de trabalho.

"Sem dúvida, as demissões afetarão todos os bancos", disse Barry Schwartz, diretor de investimentos da Baskin Wealth Management, de Toronto, que investe no JPMorgan Chase e em outros grandes bancos canadenses.

Os bancos precisam cortar custos por causa de problemas de crédito, bem como taxas de juros baixas e pressão regulatória para cortar dividendos, disse ele.

A equipe dos bancos pode encolher em média 5% a 10%, principalmente em departamentos de tecnologia, recursos humanos e finanças, de acordo com Alan Johnson, chefe da consultoria de compensação Johnson Associates.

O JPMorgan Chase já cortou cerca de 100 empregos em meados de julho, de acordo com comentários nas redes sociais. Pessoas que disseram que trabalhavam em três divisões - banco de varejo, banco comercial e banco de investimento - disseram que foram dispensadas. Os representantes do JPMorgan não quiseram comentar.

O Wells Fargo retomou os cortes de empregos após estipular uma pausa de três meses em abril, disse. A equipe afetada até agora pertencia às áreas de tecnologia e banco de varejo, e a administração está planejando milhares de demissões neste ano e no próximo, disseram as fontes.

"Não vimos muitas reestruturações ou demissões dos bancos (no início da pandemia). Estamos começando a ver agora", disse Dennis Baden, sócio da empresa de contratações Heidrick & Struggles. "As coisas vão piorar um pouco ... e podemos ver uma intensificação nas reestruturações."