PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Petrobras vê alta produtividade em Júpiter e diz que área exige inovação tecnológica

04/09/2020 09h21

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras informou nesta sexta-feira a conclusão do teste de formação na área do Plano de Avaliação de Descoberta de Júpiter, no pré-sal da Bacia de Santos, mas disse que apesar da alta produtividade constatada a região precisa de inovações tecnológicas para a produção comercial.

O teste de formação avaliou os reservatórios carbonáticos do pré-sal no poço internamente denominado Apollonia (3-BRSA-1246-RJS), localizado a aproximadamente 295 km da cidade do Rio de Janeiro, em lâmina d’água de 2.183 metros.

"Os resultados obtidos confirmam a excelente produtividade do poço, portador de óleo condensado de altíssimo valor agregado, com elevadas vazões, reforçando assim a potencialidade da área", declarou a petroleira.

Mas a empresa comentou que o fluido apresenta alta razão gás-óleo e elevado teor de CO2, exigindo aplicação de tecnologias inovadoras para a sua produção comercial.

Por essa razão, as amostras de fluido coletadas no teste serão usadas para validação da tecnologia HISEP (High Pressure Separation, ou separação em alta pressão), desenvolvida e patenteada pela Petrobras, que consiste na separação e reinjeção nas rochas reservatórios, por meio de equipamentos instalados no fundo do mar, do CO2 existente no petróleo produzido.

Segundo a Petrobras, o HISEP está em etapa de qualificação, e um piloto em outra área operada pela companhia deverá ser instalado em 2024 para realizar testes de mais longo prazo, "possibilitando um novo conceito de desenvolvimento de produção".

"Esta inovação tecnológica tem o potencial de viabilizar o projeto piloto de desenvolvimento da produção de Júpiter, bem como outros projetos com fluidos de razão gás-óleo e teor de CO2 elevados, abrindo uma nova fronteira exploratória e de desenvolvimento da produção para oportunidades do portfólio de águas profundas e ultra-profundas da Petrobras", destacou.

A área de Júpiter pertence à concessão BM-S-24, na qual a Petrobras é a operadora, com 80% de participação, e foi adquirida em 2001 em parceria com a Petrogal Brasil, que possui os demais 20%.