PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Opep+ pode ter reunião extra em outubro se mercado piorar, diz fonte

17/09/2020 12h01

Por Vladimir Soldatkin e Ahmad Ghaddar e Rania El Gamal

MOSCOU/LONDRES/DUBAI (Reuters) - A Opep+ pode realizar uma reunião extraordinária em outubro se os mercados de petróleo enfraquecerem mais, disse nesta quinta-feira o ministro de Energia saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman, segundo uma fonte da Opep+.

Os preços do petróleo ampliavam ganhos nesta quinta-feira, subindo mais de 1% com as notícias, enquanto a Opep promovia um encontro de portas fechadas com o grupo que inclui membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados liderados pela Rússia.

A reunião aconteceu em meio a um cenário de queda nos preços do petróleo e perspectivas negativas de recuperação econômica.

O grupo conhecido como Opep+ alertou que o aumento nos casos de coronavírus em alguns países pode limitar a demanda por petróleo apesar de sinais de recuperação econômica e indicações iniciais de uma queda nos estoques, segundo uma prévia de comunicado de imprensa e um relatório interno.

O painel de grandes produtores que inclui a Arábia Saudita e a Rússia não recomendou nenhuma mudança em sua atual meta de produção de 7,7 milhões de barris por dia (bpd), equivalente a 8% da demanda global.

Mas o grupo pressionará países como Nigéria e Emirados Árabes Unidos para que cortem mais oferta para compensar produção excedente em meses anteriores, podendo ampliar o período para essas compensações, disseram três fontes da Opep+.

"O comprometimento total (com os cortes) não é um ato de caridade. É uma parte integral de nosso esforço coletivo para maximizar os interesses e os ganhos individuais de cada membro deste grupo", disse o príncipe Abdulaziz ao abrir o painel da Opep+, conhecido como comitê ministerial de monitoramento conjunto (JMMC).

Os produtores da Opep+ têm restringido sua produção desde janeiro de 2017 para ajudar a apoiar os preços e reduzir os estoques globais de petróleo. Eles aumentaram os cortes para um recorde de 9,7 milhões de bpd entre maio e julho, depois que a demanda caiu como consequência da crise do coronavírus.

O painel ministerial também disse que está preocupado com o aumento no excesso de produção acumulado, que atingiu 2,38 milhões de bpd entre maio e agosto, segundo o relatório.

O grupo pediu para que Iraque e outros produzam abaixo de suas cotas em setembro para compensar o excesso de oferta entre maio e julho.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC RS