PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

ONS volta a elevar projeção de demanda por energia em setembro apesar da pandemia

Linhas de transmissão de energia em São José da Barra (MG) - Paulo Whitaker
Linhas de transmissão de energia em São José da Barra (MG) Imagem: Paulo Whitaker

18/09/2020 13h18

O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) voltou a elevar projeções para a demanda por eletricidade no Brasil em setembro, apesar de o país ainda sofrer com impactos da pandemia de coronavírus.

O órgão do setor de energia projetou que a carga do sistema elétrico interligado do país deve avançar 3,4% na comparação anual neste mês, em meio à gradual reabertura da economia depois de medidas de isolamento adotadas contra a covid-19, segundo relatório de hoje.

Na semana anterior, a previsão era de que o consumo cresceria 2,1% ante setembro do ano passado.

Os números do ONS incluem expectativas de um forte salto de 7,1% na carga na região Sul e de avanço de 5% no Norte do país, enquanto o Sudeste veria crescimento menor, de 3,3%, e o Nordeste seria a única região com retração, de 0,6%.

Antes, o ONS esperava aumento maior no Norte, de 5,4%, mas desempenhos piores no Sul (+5,8%) e no Sudeste (+1,3%), enquanto a previsão para o Nordeste ficou praticamente estável.

O consumo de eletricidade no Brasil desabou 12% em abril, primeiro mês marcado por quarentenas decretadas por governos estaduais e prefeituras para conter a disseminação do coronavírus.

Nos meses seguintes houve gradual recuperação, com a carga retornando para os níveis pré-pandemia nos últimos dois meses, segundo números prévios da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Se confirmada a projeção do ONS, no entanto, setembro marcaria o primeiro mês de avanço mais significativo na carga em comparação ano a ano.

CHUVAS

O órgão do setor de energia previu ainda que chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de geração do Brasil, somarão em setembro 69% da média histórica no Sudeste-Centro/Oeste, onde estão os principais reservatórios. Na semana anterior, a expectativa era de 72%.

No Nordeste, segunda região em reservatórios, as precipitações devem chegar a 68% da média, sem alterações frente à previsão anterior, segundo o ONS.