PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Vacina em breve pode limitar alguns danos aos ratings, diz S&P Global

13/11/2020 13h58

Por Marc Jones

LONDRES (Reuters) - Uma vacina em breve contra o coronavírus poderia limitar alguns dos danos que os ratings de créditos de países e empresas enfrentam, disse a S&P Global nesta sexta-feira, embora mais progresso seja necessário antes que os níveis de alerta de rebaixamento possam ser reduzidos.

A S&P realizou mais de dois mil rebaixamentos ou revisões de perspectiva neste ano devido à pandemia. Além disso, ainda tem perspectivas negativas em um terço das 4.400 empresas, países e bancos que avalia.

"Obviamente, são boas notícias", disse Alexandra Dimitrijevic, chefe global de pesquisa da S&P, o avanço desta semana na vacina da Pfizer e da sua parceira alemã BioNTech.

"Achamos que isso provavelmente aumenta a chance de que pode haver ampla disponibilidade de uma vacina mais cedo", acrescentou Dimitrijevic. "Mas ainda achamos que há muitas incertezas e desafios."

Esses desafios, como produção e distribuição em massa, significam que é muito cedo para fazer qualquer alteração de classificação ou previsão econômica.

As projeções mais recentes da S&P, em setembro, presumiam que uma vacina estaria disponibilizada, de forma ampla, em meados de 2021 e geraria uma recuperação de 5,3% no crescimento global no próximo ano. Desde então, no entanto, a rápida disseminação do vírus forçou cada vez mais países a voltarem aos lockdowns instituídos anteriormente.

"Pode haver alguma revisão para baixo das previsões do quarto trimestre e potencialmente do primeiro trimestre caso a segunda onda persista", disse Marion Amiot, um dos economistas sêniores da S&P. Por outro lado, o resto do ano de 2021 pode ser revisado para cima se a vacina vier de forma rápida.

Sobre a perspectiva dos ratings, Dimitrijevic disse: "Se a situação se normalizar mais cedo... isso pode nos permitir estabilizar algumas dessas perspectivas (negativas) mais cedo, e permitir alguns créditos na extremidade inferior do espectro para evitar uma deterioração adicional na qualidade de crédito", disse ela, referindo-se aos cortes de rating.

"Mas tomaremos qualquer decisão em uma abordagem empresa por empresa e alguns setores e regiões ainda podem sofrer pressão de crédito significativa até que a situação se normalize totalmente, o que pode levar até 2022 ou mais tarde para alguns."

Os setores que provavelmente permanecerão sob maior pressão incluem imóveis comerciais e transporte público de massa, à medida que as pessoas permanecem trabalhando em casa. As companhias aéreas, que dependem de viagens de negócios e alguns segmentos do setor de lazer, provavelmente também terão problemas.