PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Ibovespa perde fôlego com EUA no radar e fecha em queda após renovar recorde

06/01/2021 18h51

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira, mais uma vez sem conseguir renovar pontuação recorde de fechamento, com tumultos no Congresso dos EUA reduzindo os ganhos em Wall Street e abrindo espaço para realização de lucros na bolsa paulista.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa fechou em queda de 0,23%, a 119.100,08 pontos. O volume financeiro da sessão somou 40 bilhões de reais.

No melhor momento, chegou a 120.924,32 pontos, renovando a máxima intradia registrada na segunda-feira, quando alcançou 120.353,81 pontos. O recorde de fechamento é de 119.527,63 pontos, alcançado em 23 de janeiro do ano passado.

Em relatório nesta quarta-feira, estrategistas para América Latina do Bank of America elevaram a alocação 'overweight' em ações cíclicas, enquanto mantiveram Brasil com 'overweight' no portfólio para a região.

Nos EUA, o Dow Jones e o S&P 500 renovaram recordes com a perspectiva de Senado norte-americano de maioria democrata endossando apostas de mais estímulos fiscais e gastos em infraestrutura.

Após o fechamento dos mercados, foi oficializada a vitória do Partido Democrata para dois assentos do Senado da Georgia, dando ao partido o controle do Congresso e o poder de promover a agenda do presidente eleito Joe Biden.

Mas as bolsas em Nova York reduziram os ganhos em meio a protestos contra a vitória Biden, com manifestantes favoráveis ao presidente Donald Trump invadindo o prédio do Congresso.

O Senado e a Câmara, que estavam avaliando objeções à vitória do democrata, interromperam o debate de forma. O S&P 500 chegou aos 3.783,04 pontos na máxima, alta de 1,5%, mas fechou a 3.748,14 pontos (+0,57%).

DESTAQUES

- VALE ON avançou 2,81%, mais uma vez beneficiada pela alta dos preços do minério de ferro na China, enquanto o governo de Minas Gerais afirmou à Reuters que espera fechar um acordo superior a 28 bilhões de reais com a mineradora para reparações pelo desastre de Brumadinho, que deixou centenas de mortos em janeiro de 2019.

- GERDAU PN subiu 4,95%, em sessão positiva para ações de mineração e siderurgia, e tendo no radar perspectivas de aumento de despesas em infraestrutura pelos Estados Unidos dado o prognóstico de um Senado de maioria democrata. A empresa tem parte relevante do resultado nas suas operações nos EUA.

- ITAÚ UNIBANCO PN ganhou 2,77%. BRADESCO PN terminou com acréscimo de 3,12%. A exceção entre os bancos listados no Ibovespa foi BTG PACTUAL UNIT, que caiu 3,46%. Em NY, XP recuou 3,49%.

- PETROBRAS PN valorizou-se 0,1%, em meio a novo avanço dos preços do petróleo no exterior, mesmo que em menor magnitude. PETROBRAS ON subiu 0,99%.

- B2W ON perdeu 6,93%, com empresas de comércio eletrônico no vermelho. Sua controladora LOJAS AMERICANAS PN cedeu 5,74%, tendo ainda de pano de fundo exclusão pelo Bank of America de seus papéis do portfólio principal de ações para a América Latina.

- LOCALIZA ON caiu 5,45%, liderando perdas no setor. UNIDAS ON perdeu 4,84%. MOVIDA ON, que não faz parte do Ibovespa, teve declínio de 3,12%.

- ENEVA ON recuou 5,67%, entre as maiores perdas da sessão. No final da sessão, a empresa divulgou dados sobre reservas de gás natural dos campos nos quais detém participação nas Bacias do Parnaíba e do Amazonas.