PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Sessão para escolha dos demais cargos da Mesa da Câmara é transferida para quarta-feira

02/02/2021 17h34

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - A eleição de integrantes da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados deve ocorrer na manhã da quarta-feira diante de um acordo selado entre partidos, segundo o novo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), após uma série de negociações ao longo desta terça-feira.

Eleito na véspera, Lira anunciou em seu perfil do Twitter o acordo, sem fornecer detalhes. Uma das ofertas na mesa de negociação envolvia a não judicialização do caso.

"Chegamos a um acordo sobre a eleição da Mesa Diretora. Sempre trabalharei para que os acordos sejam feitos, ouvindo sempre a maioria", disse Lira, no Twitter.

A chegada a um ponto comum ameniza o clima na Casa e tenta evitar uma judicialização ainda maior do tema --o PDT já acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o tema na tarde desta terça-feira e Lira terá dez dias para explicar sua decisão à corte.

Segundo duas fontes consultada pela Reuters, como esperado, a primeira vice-presidência da Casa ficará a cargo do PL, que sugere o nome de Marcelo Ramos (AM). A segunda vice-presidência será destinada ao PSD, que lançou André de Paula (PE); a primeira secretaria, importante posto, vai para o PSL, para Luciano Bivar (PE).

O PT deve ficar com a segunda secretaria, e pretende indicar Marília Arraes (PE). A terceira secretaria irá para o PSB, enquanto a quarta secretaria ficará com o Republicanos, da deputada Rosângela Gomes (RJ). As suplências da Mesa ficarão com o PDT, DEM, PV e PSC.

A expectativa inicial era a que os nomes de todos os integrantes da Mesa já estivessem definidos na segunda-feira, após a divulgação da vitória de Lira.

Vencedor com uma maioria esmagadora de votos, Lira discursou, de pé, ao lado da cadeira de presidente da Câmara já vazia. Esperava-se que ao tomar posse do cargo, já sentado na cadeira, o deputado daria continuidade ao processo eleitoral, já que os colegas tinham escolhido os nomes para todos os cargos de uma vez só.

O parlamentar, no entanto, surpreendeu boa parte do plenário e anulou decisão da gestão anterior que aceitou a inscrição do bloco de sustentação da candidatura adversária à presidência da Câmara, do deputado Baleia Rossi (MDB-SP).

A sessão para a escolha dos demais nomes passou, então, para a tarde desta terça-feira. Mas desenhou-se ao longo do dia a tentativa de acordo, já que a atitude de Lira pode acirrar o clima na Casa em um momento de promessas de aprovação de Propostas de Emendas à Constituição (PEC) com reformas.

As PECs exigem um quórum elevado de aprovação -- ao menos 308 votos, 6 a mais do que o obtido por Lira na votação pela sucessão do comando da Câmara na véspera.

O acordo ainda não havia sido selado e, por isso, o restante da eleição foi transferido para a quarta-feira.

O bloco de Lira é sustentado por PSL, PL, PP, PSD, Republicanos, PTB, Pros, Podemos, PSC, Avante e Patriota.

Baleia, por sua vez, foi apoiado por MDB, PT, PSB, PSDB, PDT, SD, PCdoB, Cidadania, PV e Rede.

Adversários de Baleia apontam atraso no registro do bloco, que deveria ter ocorrido até as 12h da segunda-feira. Foi com base nessa falha que Lira tomou sua primeira decisão como presidente e anulou a formação do bloco.

O novo presidente determinou à Secretaria-Geral da Casa que calculasse novamente a distribuição dos cargos da Mesa pelo critério da proporcionalidade, mas desconsiderando o bloco de Baleia. Pela regra que leva em conta a proporção para a distribuição de cargos, partidos que apoiaram Baleia teriam mais força e número se estivessem aglutinados em um bloco.

(Reportagem adicional de Ricardo Brito)