PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Petrobras domina holofotes em semana positiva do Ibovespa

05/02/2021 19h00

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou esta sexta-feira acima dos 120 mil pontos, reforçando a performance positiva na semana, em meio a relativo alívio na cena política no país e apetite a risco no exterior. Wall St e as ações de mineração e siderurgia ajudaram na alta do dia, mas a protagonista da sessão foi Petrobras.

O desfecho da eleição no Congresso Nacional no começo da semana, com vitória de candidatos endossados pelo governo para comandar a Câmara dos Deputados e o Senado, trouxe esperanças quanto às reformas, embora agentes financeiros reconheçam que não será uma tarefa fácil, principalmente do lado fiscal.

Nesta sexta-feira, declarações do presidente Jair Bolsonaro de que o governo não interfere e não interferirá na Petrobras, endossadas pelo presidente da companhia, também repercutiram bem, em um momento no qual voltou ao radar o risco de uma greve de caminhoneiros, com o preço do diesel entre as queixas.

Após o próprio Bolsonaro adicionar ruídos prometendo na véspera anúncio sobre combustíveis nesta sexta-feira, o governo disse mais cedo que prepara projeto para mudar cobrança do ICMS sobre os combustíveis. A quarta-feira, aliás, foi o único dia da semana em que o Ibovespa fechou em queda.

"Naturalmente, isso (declarações de Bolsonaro) reduziu o desconforto dos investidores locais de modo que deixaram o Ibovespa andar como estava sendo ao longo da semana", afirmou Renato Mekbekian, responsável por alocações de fundos de fundos na Kilima Gestão de Recursos.

Mas a notícia publicada pela Reuters de que a Petrobras ampliou para um ano o prazo para calcular a paridade internacional de preços dos combustíveis, contudo, minou as ações. As PNs chegaram a recuar 1,7% no pior momento, depois de avançarem 4,4% na máxima do dia. Fecharam em alta de 0,69%.

Nos últimos dias, notícias corporativas também ocuparam as atenções, com Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil reportando seus resultados do quarto trimestre, enquanto Petrobras e Vale apresentaram números operacionais.

A temporada de balanços ganhará fôlego na próxima semana, com uma bateria de balanços, incluindo BTG Pactual, TIM, Klabin, Suzano, Totvs, Banco do Brasil, Cosan e Lojas Renner.

Empresas estreantes na B3 nesta semana fizeram bonito. A Mosaico, dona do site Buscapé, fechou o primeiro dia de negociação com alta de 96,97%. Intelbras e Mobly tampouco desapontaram, avançando 25,33% e 25,71%, respectivamente.

Na próxima semana, as atenções devem se voltar para a precificação amplamente esperada do IPO da unidade de mineração da CSN, agendada para dia 12. Antes, na segunda-feira estreia a produtora de açúcar e etanol Jalles Machado e a Focus Energia.

Progressos com a novos estímulos econômicos nos Estados Unidos deram suporte ao apetite a risco nos mercados no exterior, assim como o andamento da vacinação contra a Covid-19 em todo o mundo, apesar de alguns problemas de escassez.

Em Wall Street, dados sugerindo estabilização do mercado de trabalho norte-americano e balanços corporativos de nomes como Alphabet também agradaram e fizeram o S&P 500 renovar máxima histórica, no melhor desempenho semanal desde novembro, o que beneficiou o mercado brasileiro.

"A semana começou com 115 mil pontos e batemos hoje 121 mil pontos (na máxima). Uma alta bem expressiva para a janela de uma semana", acrescentou Mekbekian, da Kilima.

Nesta sexta-feira, o Ibovespa subiu 0,82%, a 120.240,26 pontos, acumulando alta de 4,5% na semana.

Maiores baixas do Ibovespa no dia

Maiores altas do Ibovespa no dia

O índice Small Caps avançou 0,53%, a 2.877,96 pontos, com acréscimo de 5,59% na semana/mês.

O volume negociado no pregão nesta sexta-feira somou 31,35bilhões de reais.

DESTAQUES DO IBOVESPA DO ACUMULADO DO MÊS:

- BRASKEM PNA sobe 20,4%, após a petroquímica calcular em 10,1 bilhões de reais as provisões sobre o fenômeno de afundamento de solo em Maceió, bem como retomar a produção de cloro-soda e dicloretano na cidade. A Braskem também disse que a tranche do desembolso prevista para este ano não afetará suaa geração de caixa operacional. Até o fim de 2020, a companhia disse que realocou 9.200 famílias de um total de cerca de 15 mil afetadas pelo fenômeno, atribuído por autoridades à atividade de mineração de sal da companhia.

- ENEVA ON avançou 17,81%, após passar para a fase de negociação dos termos e condições para possível compra das participações da Petrobras no Polo Urucu - um conjunto de concessões de campos terrestres de exploração e produção de hidrocarbonetos na Bacia de Solimões, no Amazonas.

- BTG PACTUAL UNIT ganhou 15,73%, renovando recordes, em meio a expectativas otimistas para o resultado trimestral, previsto para o dia 9. "Acreditamos que o modelo de negócios integrado do banco deve permitir que ele continue a se expandir em fontes mais estáveis de receitas, como gestão de ativos e fortunas, ao mesmo tempo que se beneficia de melhorias cíclicas em banco de investimento e empréstimos corporativos", afirmaram analistas do Goldman Sachs, elevando o preço-alvo das units de 115 para 125 reais, com recomendação de compra.

- IRB BRASIL RE ON caiu 4,03%, em meio a ajustes após subir 4% na última semana de janeiro, com investidores movimentando-se em redes sociais para tentar replicar na B3 estratégia adotada por investidores de varejo nos Estados Unidos para a GameStop. Apenas no dia 28, os papéis do IRB subiram cerca de 18%, levando a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a emitir alertas de risco de manipulação, e a B3 adotou procedimento temporário de leilão para as ações.

- BR DISTRIBUIDORA ON perdeu 3,35%, também experimentando uma correção após disparar 11,3% na última semana de janeiro, quando refletiu a euforia com a notícia de que Wilson Ferreira, de saída da Eletrobras, assumirá o comando da distribuidora de combustíveis. A BR ainda anunciou na quarta-feira que suspendeu preventivamente a venda de gasolina de aviação, depois de ter detectado um parâmetro do combustível fora dos limites de especificação.

Veja o comportamento dos principais índices setoriais na B3 no acumulado do mês:

- Índice financeiro: +4,01%

- Índice de consumo: +3,55%

- Índice de Energia Elétrica: +4,38%

- Índice de materiais básicos: +5,91%

- Índice do setor industrial: +4,30%

- Índice imobiliário: +3,94%

- Índice de utilidade pública: +5,10%