PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Em pequenas cidades da China, compradores de casas sofrem com incorporadoras endividadas que não terminam projetos

02/04/2021 12h56

Por Lusha Zhang e Ryan Woo

ZHUOZHOU, China (Reuters) - Em Zhuozhou, uma pequena cidade no norte da China, Zhu parou de pagar a hipoteca de seu apartamento depois de a incorporadora não colocar em operação uma linha ferroviária prometida que permitiria aos residentes se deslocar para trabalhar em Pequim.

O contador é um dos cerca de 1 mil proprietários de casas no projeto habitacional que interromperam os pagamentos por raiva no ano passado, de acordo com Zhu e dois outros compradores em campanha por indenização que conversaram com a Reuters.

"Eu não fiz nada de errado, então por que tenho que arcar com todas as consequências?", questionou Zhu.

Na pitoresca cidade de Dali, no sudoeste do país, Li, um pequeno empresário, ainda está esperando para se mudar para um apartamento que deveria ter sido entregue há mais de dois anos.

"A incorporadora adiou a entrega quatro vezes desde o fim de 2018. Perdemos completamente a confiança neles", disse Li, que atualmente está apertando sua família em um pequeno apartamento alugado com seus pais.

Li e outro comprador do projeto disseram que foram informados pela construtora de que ela não poderia entregar as chaves dos apartamentos porque não tinha dinheiro para pagar seus empreiteiros.

A incorporadora por trás do projeto Dali, Dali Haidong Development & Investment Group, não respondeu a um pedido de comentário. A China Fortune Land Development, incorporadora do projeto em Zhuozhou, listada em Xangai, que ganhou as manchetes com defaults de cerca de 5,7 bilhões de dólares em dívidas, também não respondeu aos pedidos de comentários.

A situação de Zhu e Li, que pediram que apenas seus sobrenomes fossem citados ​​por medo de represálias, ressalta o crescente problema de dívidas de incorporadores ativos em cidades menores. Muitos deles se entregaram a empréstimos desenfreados em meio a um mercado em alta entre 2016 e 2018, mas agora se encontram às voltas com muitas dívidas, demanda nitidamente mais fraca e regulamentações mais rígidas.

Analistas dizem que o problema está em grande parte confinado a cidades menores e que a demanda implacável nas grandes cidades manterá grandes incorporadoras listadas no mercado, mas eles esperam que defaults no setor cresçam e se preocupam com o risco de as consequências afetarem credores e governos locais.

"Provavelmente veremos um aumento nos defaults neste ano, e o mercado deve monitorar de perto as incorporadoras com altos índices de endividamento e cujos negócios estão concentrados em cidades menores", disse Song Hongwei, analista sênior da consultoria imobiliária Tospur de Xangai.