PUBLICIDADE
IPCA
+0,31 Abr.2021
Topo

Linx tem prejuízo de R$65,9 mi no 4º tri com perda de R$40 mi da Linx Pay

20/04/2021 09h35

(Reuters) - A Linx registrou prejuízo líquido de 65,9 milhões de reais para o quarto trimestre, revertendo o lucro de 9,4 milhões de reais apurado um ano antes, em meio a forte perdas operacionais relacionadas com a sua unidade de meios de pagamentos Linx Pay.

Em termos ajustados, que excluem essa perdas e outros itens extraordinários, a empresa de tecnologia para o varejo registrou prejuízo de 8,1 milhões de reais, em resultado afetado pelo impacto negativo no resultado financeiro com a redução gradual do CDI e maior volume de descontos a clientes.

A Linx também citou maiores custos de publicidade e implementação, efeitos das aquisições de empresas e consolidação das respectivas estruturas de custos e menor expansão sequencial da receita operacional líquida em função do período mais desafiador gerado pela pandemia de Covid-19.

Um ano antes, a empresa registrara lucro líquido ajustado de 7,7 milhões de reais, de acordo com os dados disponíveis na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na madrugada desta terça-feira.

No final de março, a companhia alertou que atrasaria a divulgação do balanço após detectar uma perda extraordinária em seu braço de pagamentos.

Naquela ocasião, a Linx relatou que a sua controlada Linx Pay apresentou perdas operacionais incomuns, como consequência do cancelamento de transações atípicas por parte de terceiros na utilização de máquinas comercializadas por um parceiro comercial da Linx Pay.

"Com base nos resultados das apurações, a Linx reconheceu perdas de 40 milhões de reais, integralmente contabilizadas no quarto trimestre de 2020", afirmou no material do balanço, acrescentando que "as vulnerabilidades que deram origem às perdas operacionais já foram endereçadas pela Linx".

A empresa ainda citou que, segundo as condições do acordo de associação assinado com a StoneCo, não há impacto na combinação de negócios em razão das perdas operacionais identificadas.

(Por Paula Arend Laier)