PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Vale diz buscar solução para impasse com hidrelétrica atingida por lama da Samarco

Vale decidiu devolver R$ 500 milhões que teria recebido apesar de a hidrelétrica ter interrompido a geração em função do desastre da Samarco - Pilar Olivares/Reuters
Vale decidiu devolver R$ 500 milhões que teria recebido apesar de a hidrelétrica ter interrompido a geração em função do desastre da Samarco Imagem: Pilar Olivares/Reuters

Roberto Samora

05/05/2021 08h46Atualizada em 05/05/2021 10h43

A Vale informou na madrugada de hoje que está empenhada em solucionar as questões relativas à aplicação do MRE (Mecanismo de Realocação de Energia) ao Consórcio Candonga, operador da Usina Hidrelétrica Risoleta Neves, no qual a mineradora é sócia.

O comunicado foi feito após reportagem do jornal O Estado de S.Paulo afirmar que a Vale decidiu devolver R$ 500 milhões que teria recebido apesar de a hidrelétrica ter interrompido a geração em função do desastre da Samarco, joint venture da própria Vale com a BHP.

Uma reunião foi realizada na véspera com representantes da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para discutir a paralisação da usina, que foi atingida pela lama do rompimento da barragem da Samarco em 2015, e está paralisada desde então, gerando custos ao sistema elétrico.

A Vale disse que o Consórcio Candonga acionou o MRE, um sistema de compartilhamento de riscos de geração entre todas hidrelétricas do Brasil, que funciona como um condomínio, "considerando a melhor informação disponível à época acerca da retomada das operações na usina Risoleta Neves".

"Todavia, considerando o prolongamento do prazo para o retorno das atividades na usina, a Vale empenhará todos os esforços para equacionar a questão junto à Aneel e demais órgãos envolvidos", disse a companhia em comunicado ao mercado.

Questionada pela Reuters especificamente sobre a devolução dos R$ 500 milhões, a Vale não comentou.

Em dezembro, a Reuters informou com base em documentos que os investimentos em reparação da usina afetada pelo desastre da Samarco podem superar o custo de construção do empreendimento.