PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Poupança tem primeira captação líquida mensal do ano em abril, de R$ 3,841 bi

Em abril, caderneta de poupança registrou entrada líquida de R$ 3,841 bilhões, o primeiro saldo positivo mensal em 2021 - Getty Images/iStockphoto/Moussa81
Em abril, caderneta de poupança registrou entrada líquida de R$ 3,841 bilhões, o primeiro saldo positivo mensal em 2021 Imagem: Getty Images/iStockphoto/Moussa81

Gabriel Ponte

06/05/2021 15h22Atualizada em 06/05/2021 19h49

A tradicional caderneta de poupança registrou entrada líquida de R$ 3,841 bilhões em abril, o primeiro saldo positivo mensal em 2021, informou o Banco Central nesta quinta-feira.

No ano, a poupança ainda acumula retirada líquida de R$ 23,701 bilhões, influenciada pelos saldos negativos registrados nos três primeiros meses do ano.

Em abril, os depósitos superaram os saques em R$ 2,037 bilhões no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), enquanto na poupança rural houve ingresso líquido de R$ 1,804 bilhão.

O saldo positivo coincide com a retomada das rodadas de pagamento do auxílio emergencial aos mais vulneráveis, em um valor médio de 250 reais e em quatro novas parcelas.

Em abril de 2020, quando a atividade econômica já sofria o baque dos efeitos do coronavírus, a poupança registrou captação líquida de R$ 30,459 bilhões, então recorde mensal que foi posteriormente superado em maio (R$ 37,201 bilhões).

A aplicação da caderneta de poupança rende 70% da taxa Selic quando o juro básico está em até 8,5% ao ano. Isso, então, coloca a remuneração da poupança em 2,45% em 12 meses, já considerando a decisão de quarta-feira do Comitê de Política Monetária (Copom), que elevou a Selic em 75 pontos-base, a 3,5%.

Como outras alternativas de investimento na renda fixa podem sofrer mais tributação, acabam entregando rendimento similar ou mesmo inferior ao da poupança em alguns casos.

Em 2020, a poupança registrou captação líquida recorde, de R$ 166,310 bilhões, em um ano marcado pela forte transferência de renda promovida pelo governo com o auxílio emergencial, que voltou a ser retomado em abril deste ano.