PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Abegás vê MP da Eletrobras como passo para integração entre setores elétrico e de gás

20/05/2021 18h21

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A aprovação da medida provisória de privatização da Eletrobras pela Câmara representou importante passo para a integração entre os setores elétrico e de gás, ao prever no texto a abertura para contratação de capacidade de geração térmica a gás, afirmaram distribuidoras do insumo em nota nesta quinta-feira.

A MP, aprovada pelos deputados da Câmara na véspera e que seguirá ainda para tramitação no Senado, determina que o governo terá de contratar térmicas a gás por 15 anos, a partir de 2026.

A contratação de novas térmicas a gás pelo país como forma de aumentar a segurança energética é uma demanda da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) desde a tramitação no Congresso da nova Lei do Gás, sancionada neste ano.

No comunicado, a Abegás ressaltou que, ao demarcar o ano-base para a contratação, o texto cria segurança jurídica para investimentos em novos projetos, o que permitiria um aumento da oferta de gás, principalmente do pré-sal.

"A medida representa um importante passo na direção de uma plena e indispensável integração entre o setor elétrico e o setor de gás natural", disse a associação.

"O período de cinco anos é o ideal para que os projetos do setor tenham o devido tempo de maturação, com um cenário de 15 anos que preserve a viabilidade econômica do investimento."

Governo e Petrobras vêm trabalhando nos últimos anos em diversas frentes que visam estimular novos investimentos no setor de gás natural, permitindo maior demanda para a crescente produção em campos marítimos de águas profundas e ultraprofundas do país.

A Abegás frisou ainda em nota esperar que tais avanços apontados "possam ser mantidos nas próximas etapas da tramitação" da MP.

(Por Marta Nogueira)