PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Bancos elevam projeções para Selic com fechamento mais rápido do hiato do produto e inflação

02/06/2021 13h54

SÃO PAULO (Reuters) - A economia em ritmo mais acelerado e novos riscos à inflação relativos à crise hídrica começam a guiar mais analistas a projeções de Selic de pelo menos 6% ao fim deste ano, o que indica que nos próximos meses o Banco Central teria de abandonar o discurso de normalização "parcial" da política monetária.

O Bank of America revisou na véspera sua projeção para 6,00%, ante 5,00%. A Quantitas passou a ver taxa terminal de 7,5%, 1 ponto percentual acima da previsão anterior, o que sugere um juro na mesma magnitude acima da taxa neutra.

A XP revisou nesta quarta seu cenário para um juro de 6,5% em dezembro de 2021, e não mais 5,5%. Ao fim de 2022, o Bradesco vê a taxa básica em 6,5%, depois de ajustar a estimativa para fim de 2021 de 5,25% para 5,75%.

Essas mais recentes revisões foram divulgadas depois de dados mostrarem na terça-feira que a economia brasileira superou expectativas ao crescer 1,2% no primeiro trimestre sobre os três meses imediatamente anteriores.

A alta das expectativas de inflação também tem motivado as mudanças, e esse componente ganhou reforço adicional nos últimos dias com o encarecimento da energia elétrica (pelo acionamento da bandeira vermelha 2) a partir de uma crise hidrológica decorrente do baixo patamar dos reservatórios no Centro-Sul.

"Entendemos que o ciclo de aperto monetário seja completo (ao invés de parcial, com um 'pit-stop' em 5,5% este ano) porque o hiato do produto está se estreitando mais rápido do que o previsto, sugerindo que a economia não precisará mais de estímulos monetários ao longo de 2022", disse a XP em nota.

"Abandonamos nosso cenário de ajuste parcial das condições monetárias neste ano. Resta saber se o Copom fará o mesmo no comunicado de sua reunião de 16 de junho", acrescentou.

Ivo Chermont, economista-chefe da Quantitas, justifica a revisão do cenário para a Selic a partir de uma inflação "mais salgada" para 2022, de 4,2%, acima da meta de 3,5%. Ele disse que os números do PIB surpreenderam para cima, o que deve levar ao fechamento do hiato do produto entre o final deste ano e início do ano que vem.

"Somado à demanda reprimida pós-vacinação e a uma inflação mais puxada (inclusive em serviços), achamos mais consistente elevar a Selic final de 6,5% para 7,5%, 100 pontos-base acima da taxa de juros neutra", disse, prevendo taxa de 6,5% ao fim deste ano e aumento de 1 ponto percentual no começo de 2022.

Citando pressões de preços "mais persistentes" do que o inicialmente esperado, o BofA passou a ver Selic de 6,00% neste ano.

Para analistas do banco privado, o Banco Central terá de adiantar o ciclo de aperto monetário para debelar uma inflação acima da meta para 2021 e evitar que os preços correntes e as estimativas de inflação mais elevadas desancorem as expectativas de médio prazo.

O BofA agora vê o juro em 6,00% em 2022, ante 5,75% da projeção anterior.

A expectativa de inflação para 2022 já está em 3,68%, conforme a pesquisa Focus do Banco Central, em alta pela terceira semana consecutiva e distanciando-se da meta de 3,50%.

"O desafio da política monetária será o de manter as expectativas de inflação de 2022 ancoradas, diante de um ajuste ainda parcial. A Selic deve encerrar em patamar mais elevado do que em nosso cenário anterior, 5,75% contra 5,25%. Para 2022 esperamos que Selic chegue a 6,5%", disse o Bradesco em nota.

(Por José de Castro)