PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Açúcar bruto cai para mínima de quase 2 meses; café recua 2,5%

17/06/2021 18h48

Por Marcelo Teixeira e Maytaal Angel

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) - Os contratos futuros do açúcar bruto na ICE atingiram a mínima em quase dois meses nesta quinta-feira, com o dólar em forte alta e ações e outras commodities despencando, após o Banco Central dos Estados Unidos sinalizar que deve aumentar as taxas de juros em ritmo mais acelerado que o esperado. [MKTS/GLOB] [FRX/]

Os preços do café também recuaram.

AÇÚCAR

* O açúcar bruto para julho fechou em queda de 0,49 centavo, ou 2,9%, a 16,55 centavos de dólar por libra-peso, após atingir a mínima desde 20 de abril a 16,52 centavos de dólar, mais cedo na sessão.

* Operadores afirmaram que o açúcar foi pego na liquidação desencadeada pela decisão do Fed, mas deve encontrar apoio em níveis atuais de consumidores finais. Entretanto, notaram que os fundos, que ainda mantêm uma grande posição comprada, têm pouco apetite para comprar no momento.

* "A reação imediata é uma coisa, mas sem expectativa de alta taxa até 2023, por enquanto, a questão é como o mercado irá reagir a médio prazo", disse um corretor de açúcar dos EUA.

* A Archer Consulting disse que as usinas brasileiras protegeram mais de 1 milhão de toneladas de açúcar 2022/23 na ICE em maio, levando as vendas totais futuras da safra do próximo ano para 20,9%.

* O açúcar branco para agosto fechou em queda de 12 dólares, ou 2,7%, para 425 dólares a tonelada, após atingir mínima de mais de dois meses a 422 dólares.

CAFÉ

* O café arábica para setembro fechou em queda de 3,85 centavos, ou 2,5%, a 1,516 dólar por libra-peso, após alcançar a mínima desde 24 de maio a 1,5080 dólar anteriormente.

* O arábica se afastou da máxima de quatro anos e meio alcançada este mês com o retorno das chuvas no maior produtor de arábica, Brasil, e volta o fluxo de café para os portos no segundo maior produtor, Colômbia.

* A safra no Brasil atingiu 34% até 15 de junho, disse a consultoria Safras & Mercado, um ritmo similar ao do ano passado, porém atrás da média de cinco anos de 36% nesta época do ano.

* O banco de investimentos Itaú BBA reafirmou sua visão de uma redução de 30% na safra de arábica do Brasil neste ano e disse que é possível que alguns produtores não consigam entregar o café vendido meses antes.

* Café robusta para setembro fechou em queda de 31 dólares, ou 1,9%, para 1.598 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Maytaal Angel; reportagem adicional de Roberto Samora em São Paulo)